O Papa criticou  em Atenas a falta de solidariedade da União Europeia na resposta à crise migratória, que considerou uma “terrível odisseia moderna”.

“Persiste a demora europeia: a comunidade europeia, dilacerada por egoísmos nacionalistas, em vez de ser motor de solidariedade, às vezes aparece bloqueada e descoordenada”, assinalou Francisco, no primeiro discurso da sua viagem à Grécia, no Palácio Presidencial.

Menos de duas horas depois de ter chegado à capital grega, vindo do Chipre, o Papa destacou o impacto desta crise na população.

“Este país, caraterizado pela hospitalidade, viu desembarcar nalgumas das suas ilhas um número de irmãos e irmãs migrantes superior ao dos próprios habitantes, aumentando assim as contrariedades que ainda padecem das fadigas da crise económica”, ilustrou.