Já hoje, na ala Paulo VI, na audiência geral das quartas-feiras, manifestou «profunda preocupação» com discussão sobre estatuto de Jerusalém

 

O Papa Francisco recebeu esta terça-feira um telefonema de Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestiniana,  sobre a anunciada mudança da Embaixada norte-americana em Israel para Jerusalém, informou hoje o porta-voz do Vaticano.

Segundo Greg Burke, a iniciativa do contacto partiu do presidente da Autoridade Nacional da Palestina, após conversa deste com o presidente dos EUA, Donald Trump, na qual o presidente norte americano terá manifestado a intenção de transferir a sede da representação diplomática de Telavive para Jerusalém.

O jornal do Vaticano destaca, na sua edição de hoje, em, chamada de primeira página a “profunda perplexidade” que esta decisão gerou.

A edição retoma o apelo deixado pelo Papa Francisco na audiência pública desta manhã, na qual Francisco manifestou “profunda preocupação” com a discussão sobre o estatuto de Jerusalém.

“O meu pensamento vai agora para Jerusalém: a esse respeito, não posso calar a minha profunda preocupação com a situação que se criou nos últimos dias”, disse.

Sem se referir diretamente à decisão da administração Trump, o Papa dirigiu um apelo para que todos saibam “respeitar o status quo da cidade, em conformidade com as respetivas Resoluções das Nações Unidas”.

“Jerusalém é uma cidade única, sagrada para os judeus, os cristãos e os muçulmanos, que nela veneram os Lugares Santos das respetivas religiões, e tem uma vocação especial para a paz”, acrescentou.

Francisco rezou para que esta identidade “seja preservada e reforçada” em benefício da Terra Santa, do Médio Oriente e de todo o mundo.

“Que prevaleçam a sabedoria e a prudência, para evitar que se somem novos elementos de tensão num panorama mundial já convulso e marcado por tantos e cruéis conflitos”, concluiu.

Segundo agências internacionais, Donald Trump vai anunciar hoje, num discurso marcado para as 13h00 (18h00 em Lisboa), a decisão de considerar Jerusalém como a capital de Israel e de transferir para a cidade a embaixada norte-americana, atualmente localizada em Telavive.

(Com Ecclesia e Lusa)