O Papa deixou hoje o Vaticano para iniciar pelo terceiro ano consecutivo os exercícios espirituais da Quaresma em Ariccia, arredores de Roma

À imagem do que aconteceu em 2014 e 2015, a deslocação foi feita em autocarro e até sexta-feira, dia final do retiro, estão suspensos os compromissos públicos, incluindo a audiência pública semanal.

Francisco abordou esta iniciativa durante o encontro desta manhã com milhares de peregrinos, na Praça de São Pedro, para a recitação do ângelus, a quem pediu orações por todos aqueles que sofrem.

O retiro espiritual decorre de novo na Casa “Divino Mestre”, dos Paulistas, cerca de 30 km a sudeste de Roma, em vez do Vaticano, e vai ser orientado pelo padre Ermes Ronchi, da Ordem dos Servos de Maria.

O religioso é professor de Estética Teológica e Iconografia na Pontifícia Faculdade Teológica “Marianum”, em Roma, e autor de diversos livros sobre temas bíblicos e espirituais.

A prática dos exercícios espirituais para o Papa e a Cúria Romana teve início em 1925 com Pio XI; Paulo VI transferiu-os em 1964 para o tempo quaresmal, em preparação para a Páscoa.