Primeira Missa em Filadélfia propôs valorização das mulheres e dos leigos na Igreja

O Papa pediu hoje em Filadélfia as orações dos católicos para as “decisões” do próximo Sínodo dos Bispos sobre a família, que decorre de 4 a 25 de outubro no Vaticano.

“Peço que rezem fervorosamente pelas famílias, bem como pelas decisões do próximo Sínodo sobre a família”, declarou, na homilia da Missa a que presidiu na catedral da cidade norte-americana, que acolhe o 8.º Encontro Mundial das Famílias (EMF).

“Durante estes dias, gostaria de pedir que reflitam de modo particular sobre a qualidade do nosso ministério com as famílias, os casais que se preparam para o matrimónio e os nossos jovens”, acrescentou.

Na última etapa da sua viagem aos Estados Unidos da América, que incluiu passagens por Washington e Nova Iorque, Francisco apelou a uma valorização dos leigos e “do imenso contributo que as mulheres, leigas e consagradas, deram e continuam a oferecer” à vida das comunidades católicas.

“Sabemos que o futuro da Igreja, numa sociedade em rápida mudança, exigirá – e já agora o exige – um compromisso cada vez mais ativo por parte dos leigos”, prosseguiu, ao falar da necessidade de “promover um sentido de colaboração e responsabilidade compartilhada”.

O Papa recordou que a Igreja Católica nos EUA sempre dedicou um “enorme esforço” ao trabalho da catequese e da educação, numa celebração que reuniu bispos, sacerdotes, religiosos e religiosas da Pensilvânia (nordeste do país).

Francisco saudou o esforço de “gerações e gerações de católicos comprometidos, saindo para as periferias a fim de construir comunidades de culto, de educação, de caridade e de serviço à sociedade inteira”.

Nesse contexto, aludiu ainda a todos os que trabalharam pelas “necessidades espirituais dos pobres, dos imigrantes, dos doentes e dos presos”.

Segundo o Papa, um dos grandes desafios que a Igreja tem pela frente é “promover, em todos os fiéis, o sentido de responsabilidade pessoal pela missão da Igreja”.

Francisco pediu aos participantes na celebração que levem uma “saudação afetuosa” a todos aqueles que não puderam estar na catedral, “especialmente a tantos sacerdotes idosos e pessoas consagradas aqui espiritualmente presentes”.

No final da Missa, o arcebispo de Filadélfia, D. Charles Joseph Chaput, falou da expectativa que esta visita pontifícia tem gerado, dizendo mesmo que a cidade “mudaria o seu nome para Francisville ainda hoje”.

CR/Ecclesia