“ #HolyWins2019 ” desafia mais de 200 crianças do primeiro ao sexto ano da catequese em Santa Cruz da Lagoa

A sonoridade é parecida, entra no ouvido tal como a moda da época, mas a proposta é outra: manter a tradição do Pão por Deus, em vez do Halloween, junto de mais de 200 crianças que frequentam a catequese, do primeiro ao sexto anos, na Paróquia de Santa Cruz da lagoa. No dia 1 de novembro, dia em que a Igreja celebra Todos os Santos, estas crianças estão desafiadas a irem vestidas do santo da sua devoção receber o Pão Por Deus, na Missa das 11h30, na paróquia de Santa Cruz, na ouvidoria da Lagoa, em São Miguel.

“ #HolyWins2019 Escolho a Santidade, porque a morte foi vencida!” é “uma nova maneira de atrair as crianças e jovens para uma tradição que é tão cara aos açorianos” disse ao Igreja Açores o pároco, Pe. Nuno Maiato.

“Pedimos às crianças da catequese da Infância para virem vestidas como o santo da sua preferência, para esta celebração. Além disso, foi entregue, na última sessão de catequese, um saco de papel, para eles pintarem a seu gosto para no final da celebração colocarem o pão que irão receber pela alma dos nossos defuntos” explicou o Pe. Nuno Maiato.

“Não tenho grande expetativa porque estou consciente de que é o primeiro ano mas a adesão no momento da interpelação foi boa” acrescentou lembrando que a iniciativa é “para continuar”, envolvendo para já as crianças dos primeiros anos .

“Gostava que tivesse havido uma preparação diferente mas a verdade é que se fosse de outra maneira se calhar não conseguiríamos avançar com a iniciativa” referiu ainda.

Apesar de se estar a perder nalgumas ilhas, a tradição do Pão Por Deus continua a ser muito viva nos Açores, impulsionada sobretudo pelas escolas católicas e por algumas paróquias que organizam atividades, como esta #HolyWins2019 e que está a ser recuperada como uma tradição cultural pelas escolas do ensino público regional, sobretudo as do ensino básico. É frequente as escolas anteciparem esta celebração para o último dia útil antes do feriado e levarem à rua as suas crianças.

A tradição do Pão Por Deus remonta a 1756, um ano depois do sismo que devastou Lisboa. A pobreza que atingia a capital agravou-se com a destruição provocada pelo abalo de terra e um ano depois os lisboetas saíram à rua para pedirem Pão por Deus para “matar” a fome.

Nas décadas de 60 e 70, por imposição da ditadura do Estado Novo, o Pão Por Deus só podia ser pedido por crianças, menores de 10 anos e, apenas, até ao meio dia.

Pão, frutos secos e agora guloseimas é o que costuma ser pedido pelos mais novos que, inclusivamente, se arranjam com sacos bem decorados para irem para a rua pedir.

No Pão por Deus, uma tradição católica, as crianças pedem e se por acaso nada lhes é oferecido não ripostam com qualquer travessura; é, juntamente com as romarias aos cemitérios, um dos hábitos do primeiro de novembro, dia em que a Igreja Católica celebra Todos Os Santos.