Festa da padroeira é uma das maiores da ilha de São Miguel

A paróquia de Água de Pau, na ouvidoria da Lagoa, na ilha de São Miguel, vai celebrar a festa de Nossa Senhora dos Anjos, que se realiza a 15 de agosto, no ano em que a própria vila celebra meio milénio de existência.

“Celebrar 500 anos de vila é celebrar a memória de um povo que desde os primórdios, pautou a sua vida pelos valores do Evangelho, crente e com muito amor a Deus e à Virgem Maria”, diz o pároco, Pe João Furtado na mensagem de boas vindas que consta do programa oficial das Festas em honra de Nossa Senhora dos Anjos.

“2015 é um ano de Ação de Graças por tudo de bom que aconteceu  e de graças de Deus que chegaram às gentes de Água de Pau durante meio milénio de existência”, prossegue o sacerdote lembrando que é neste contexto “de grande aniversário” que decorre este ano a festa em honra de Nossa Senhora, com “profunda alegria e frescura de espírito”.

A festa que tem o seu dia grande na solenidade da Assunção de Maria aos Céus, a 15 de agosto, envolve no entanto um vasto programa cívico, cultural e religioso durante quase duas semanas, desde concertos de música, teatro, exposições, lançamentos de livros, entre outros.

Este ano, a Solenidade será presidida pelo Vigário geral da Diocese, Cónego Hélder Fonseca Mendes, que estará também na Procissão durante a tarde.

A festa que é uma organização da Paróquia e que se estende entre 6 e 17 de agosto conta , também, com o envolvimento de todas as forças vivas da freguesia em especial os movimentos e grupos associados à comunidade religiosa de Água de Pau.

A Festa em honra da Senhora dos Anjos é uma festa de verão que reune milhares de pessoas nesta freguesia piscatória, da costa sul de São Miguel, fortemente marcada pela emigração.

Nesta altura do ano, a vila enche-se de colorido para honrar a sua padroeira. Durante a procissão solene a imagem da Senhora dos Anjos, juntamente com mais 13 andores enfeitados pelas familias da comunidade, percorre as principais ruas da freguesia e vai recebendo ofertas em dinheiro, atirado em argolas, decoradas com flores, que são enfiadas no braço da imagem que está erguido na vertical.

Além deste gesto, é também prática comum enfeitarem-se as janelas e as ruas com flores naturais.

A festa termina no dia 17 com o sermão de despedida à meia noite.