Ultreia começou com uma eucaristia onde foram lembradas as vítimas da covid 19, em especial o padre Jorge Reis

As ultreias presenciais, momento de reflexão conjunta previsto da dinâmica do Movimento dos Cursilhos de Cristandade, regressaram esta sexta feira, dia 26 de fevereiro em Santa Luzia, na ouvidoria de Angra do Heroísmo.

Depois de várias actividades desenvolvidas em ambiente digital o primeiro encontro presencial contou com 30 pessoas e seguiu todas as regras de distanciamento físico neste contexto de pandemia. O primeiro encontro presencial coincidiu com um dia de boas noticias já que na ilha Terceira não houve qualquer  caso novo de covid-19.

A celebração  começou por homenagear as vítimas de Covid-19 em geral e nos Açores em particular.

“Celebramos uma Eucaristia por todas as vítimas tendo uma intenção muito especial, o padre Jorge Reis, que teve a infelicidade de ser uma das vitimas desta pandemia e que nós quisemos lembrar porque foi sempre uma pessoa muito ativa neste movimento, enquanto serviu na Ilha Terceira” e depois  “tivemos um rolho sobre o poder da oração, dado por uma cursista, com algumas ressonâncias que depois foram sintetizadas pelo nosso assistente, o padre Pedro Lima”, disse ao Igreja Açores Gina Barcelos, presidente do Secretariado Diocesano do Movimento dos Cursilhos de Cristandade.

“A questão da oração é muito importante para nós, sobretudo nestes tempos difíceis” esclarece a responsável adiantando que já está agendada uma nova ultreia para dia 26 de março.