I Encontro de Reitores discutiu em Ponta Delgada linhas mestras de uma ação conjunta entre os cinco santuários diocesanos

O I Encontro Diocesano de Reitores dos Santuários da diocese de Angra foi “muito positivo” e um ponto de partida para uma acção “mais concertada” afirmou esta tarde ao Igreja Açores o Cónego Adriano Borges, reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres, promotor desta iniciativa.

“Este encontro foi bastante positivo e produtivo e irá prosseguir já no próximo ano” adiantou o sacerdote sublinhando que “há um interesse grande dos Santuários em serem uma porta aberta para todos, um lugar de encontro das fragilidades humanas concretas”.

“Os Santuários são lugares de peregrinação, de acolhimento e, consequentemente, de misericórdia. O que nós queremos é que os peregrinos que aqui vêm, e sentem esta misericórdia de Deus, a possam depois levar ao seu próximo”, adiantou ainda o sacerdote.

“É quase uma obrigação do peregrino ser agente de evangelização e por isso se diz que os Santuários são lugares da nova evangelização” acrescenta ainda o Cónego Adriano Borges, lembrando que os vários santuários devem ser lugares de acolhimento onde se promova um verdadeiro encontro com Deus.

Deste encontro de reitores, o primeiro na história dos santuários diocesanos, resultou ainda a decisão de já no próximo ano, os santuários diocesanos- Santo Cristo, Bom Jesus do Pico, Santo Cristo da Caldeira(São Jorge), Conceição e Nossa Senhora dos Milagres, ambos na Terceira- terem um tema comum que atravessará todo o ano pastoral, sempre em conformidade com as orientações diocesanas. Esta prática já vinha sendo desenvolvida pelos dois santuários cristológicos da diocese- Santo Cristo e Bom Jesus- mas deve agora ser estendido a todos, que também farão um esforço para integrar a Associação Nacional de Santuários que habitualmente reúne em janeiro em Fátima.

No encontro participaram quatro dos cinco reitores- apenas faltou o Padre Manuel das Matas Santos, reitor do santuário de São Jorge- e ainda o Pe. José Borges, ouvidor de Vila Franca do Campo e pároco da Matriz de São Miguel Arcanjo, onde se insere a Ermida de Nossa Senhora da Paz que, há muito, aspira a ser santuário, havendo já passos concretos nesse sentido por parte da comunidade paroquial, junto das autoridades eclesiásticas diocesanas.

A ideia dos santuários como “lugares especiais onde se experimentam os dons de Deus” foi de resto partilhada por todos os presentes.

O Pe. João Pires, reitor do Santuário de Nossa Senhora dos Milagres, na Serreta, na ilha Terceira e o mais novo dos sacerdotes em funções reitorais- apenas ocupa esta reitoria desde setembro passado- lembrou que os santuários são cada vez mais procurados por doentes e marginalizados, “pessoas de alguma forma fragilizadas”, que necessitam de respostas concretas e isso “exige também uma resposta e uma preparação diferente dos santuários”.

“Um dos principais embaraços a ultrapassar prende-se com a inexistência de uma espiritualidade própria de cada santuário, em que os peregrinos sejam guiados para um compromisso mais sério; a inexistência de estruturas materiais e humanas capazes de dar uma resposta no acolhimento de doentes, de pobres, de fragilizados e a inexistência de uma pastoral organizada bem como formação especifica dos agentes dos santuários”, referiu numa nota enviada ao Igreja Açores.

O sacerdote destaca, no entanto, que esta é uma oportunidade para os santuários se afirmarem, até porque são cada vez mais procurados seja por grupos de peregrinos organizados seja por turistas que procuram estes lugares pelas suas paisagens e pela sua riqueza patrimonial.

Já o Padre Marco Martinho, reitor do Santuário do Pico, este encontro foi especial, não só por ser o primeiro mas porque lança desafios concretos que podem servir de alavanca para um trabalho concertado, tendo em conta o contexto e a realidade própria de cada um dos santuários.

“Foi muito salutar este encontro e uma das forças motrizes que daqui saiu foi a intenção de fazer do santuário um lugar de evangelização” afirmou ao Igreja Açores o reitor do Santuário do Senhor Bom Jesus, na ilha do Pico, sublinhando que esta evangelização passa “pelo acolhimento, pela liturgia e pela realização dos sacramentos”.

O próximo Encontro Diocesano de Reitores dos Santuários deverá acontecer no inicio da próxima Quaresma, fora das festas principais organizadas pelos santuários, como foi o caso desta oportunidade que se realizou hoje em Ponta Delgada.

O Encontro, presidido pelo bispo de Angra, D. João lavrador, começou com uma Eucaristia na Igreja do Santo Cristo, concelebrada pelo Presidente das Festas, o Núncio Apostólico da santa Sé na Geórgia e na Arménia, que é açoriano e hoje celebra mais um aniversário.