Entre 7 e 8 de dezembro as festividades estão particularmente centradas no santuário de Nossa Senhora da Conceição em Angra

Depois da novena, a partir desta terça-feira, dia 7, todos os caminhos “vão dar” ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição, em Angra do Heroísmo, na ilha Terceira. O Santuário Mariano, um dos cinco santuários diocesanos insulares, celebra a sua maior festa com duas missas às 10h45 e 13h15 especialmente dedicadas aos jovens e funcionários públicos de Angra, que assim prestam homenagem a Nossa Senhora da Conceição. De destacar também a oração de vésperas, ao final da tarde, pelos alunos do Seminário Episcopal de Angra. E, embora o dia mais solene seja o 8 de Dezembro, na verdade estas duas missas bem como a Oração de Vésperas já contarão com alguma solenidade “para proporcionar uma vivência espiritual mais intensa num momento tão significativo para o Santuário”, destaca uma nota enviada pelo Santuário ao Igreja Açores.

No dia 8 dezembro sete celebrações Eucarísticas preencherão o dia para proporcionar a todos uma participação ativa e plena nas festividades da Santíssima Virgem Maria.

“Todos os caminhos vão dar ao Santuário; que sejam dias de vivência espiritual que proporcione um encontro com Deus e com Nossa Senhora e que seja um momento de viragem transformadora para todos” refere o reitor numa mensagem dirigida através do Igreja Açores a todos os angrenses. No dia 8, a Missa das 19h00 será presidida pelo Administrador Diocesano e terá transmissão em direto pelo Rádio Clube de Angra e pela Vitec.

Também na Horta, a Paróquia da Conceição celebra a sua padroeira. Às 9h00 haverá a alvorada pelo agrupamento 1064 do CNE. Seguem-se quatro eucaristias: às 10h00, com a participação das paróquias de Angústias e Feteira; às 12h00, com a paróquia da Matriz e às 15hh00, a missa solenizada. A procissão às 16h30 e a missa de encerramento concluem um programa que, no dia 6 celebrou o aniversário da Dedicação da Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

As festas de Nossa Senhora da Conceição são festas muito participadas que nos últimos anos têm sido assinaladas de forma muito restritiva em virtude da situação pandémica.

O culto de Nossa Senhora da Conceição é um dos mais antigos em Angra do Heroísmo. A primeira igreja de Angra que lhe é dedicada foi mandada construir em 1470, a Igreja de Nossa Senhora da Conceição que o sismo de 1980 haveria de destruir.

Com a reabertura do templo reconstruído, no momento em que se celebrava o Ano Episcopal Mariano, o pedido de elevação da Igreja de Nossa Senhora da Conceição a Santuário Mariano foi feito nesse mesmo ano de 1987 pelo pároco da altura, Peadre Adão Teixeira, benesse que foi concedida ainda no mesmo ano pelo Bispo de Angra, D. Aurélio Granada Escudeiro.

De referir, que foi aqui que se realizou o primeiro Encontro de Santuários Marianos Portugueses, em Novembro de 2003, altura em que renasceu a Confraria de Nossa Senhora da Conceição, criada em Dezembro de 1717 mas que no inicio do Século XX haveria de perder importância.

Solenidade da Imaculada Conceição

A solenidade da Imaculada Conceição, que a Igreja Católica assinala anualmente a 8 de dezembro, é feriado nacional em Portugal, um reconhecimento da importância desta data na espiritualidade e identidade do país.

O dogma da Imaculada Conceição de Maria foi proclamado a 8 de dezembro de 1854, através da bula ‘Ineffabilis Deus’, a qual declara a santidade da Virgem Santa Maria desde o primeiro momento da sua existência, sendo preservada do pecado original.

A primeira celebração do culto da Imaculada Conceição aconteceu na Sé Velha de Coimbra, no dia 8 de dezembro de 1320, há 700 anos.

A ligação entre Portugal e a Imaculada Conceição ganharia destaque em 1385, quando as tropas comandadas por D. Nuno Alvares Pereira derrotaram o exército castelhano e os seus aliados, na batalha de Aljubarrota.

Em honra a esta vitória, o Santo Condestável fundou a igreja de Nossa Senhora do Castelo, em Vila Viçosa, e fez consagrar aquele templo a Nossa Senhora da Conceição.

A antiga igreja de Nossa Senhora do Castelo, espaço onde se ergue atualmente o santuário nacional, afirmou-se nos finais do século XIV como um sinal desta devoção, em toda a Península Ibérica.

Depois, deu-se durante o movimento de restauração da independência que acabou com o domínio castelhano em Portugal e que culminou com a coroação de D. João IV como rei de Portugal, a 15 de dezembro de 1640, no Terreiro do Paço, em Lisboa.

O mesmo D. João IV, atento a uma religiosidade que também já envolvera a construção de monumentos como o Mosteiro da Batalha, o Convento do Carmo e o Mosteiro da Conceição, coroou a Imagem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa como Rainha e Padroeira de Portugal durante as cortes de 1646.

A Universidade de Coimbra tem um papel importante em todo este processo, já que todos os seus intelectuais defenderam o dogma sob forma de juramento solene.

Após a proclamação dogmática, surgiu em Portugal um movimento no sentido de erguer um monumento nacional que assinalasse a definição de Pio IX.

Esta solenidade será celebrada em toda a diocese de Angra, que dispõe de cinco paróquias cuja invocação é a de Nossa Senhora da Conceição: Mosteiros e Ribeira grande, em São Miguel, Lomba da Fazenda, também na maior ilha do arquipélago; Santa Cruz das Flores, Horta e Angra do Heroísmo , na paróquia que é ao mesmo tempo Santuário diocesano.

(Noticia atualizada às 10h30, do dia 7 de dezembro)