Mensagem de Natal convida a aproveitar o tempo de Advento para uma verdadeira caminhada de conversão

O bispo de Angra exorta os diocesanos a fazerem do Advento um caminho de preparação para o Natal no qual possam oferecer, através de “gestos concretos”, uma “nova esperança” a todos os que vivem afastados de Deus, vitimas do “secularismo agressivo e intolerante”.

Na Mensagem de Natal a que o Sítio Igreja Açores teve acesso este domingo, intitulada “Deus fala no Seu Filho”, D. João lavrador lembra que celebrar o Natal “é abrirmo-nos à contemplação do maior de todos os mistérios que envolve o homem e que se revela na Encarnação de Jesus de Nazaré, o Verbo Eterno de Deus que nasce na natureza humana”.

Por isso, afirma, numa sociedade como a atual, marcada pelo “secularismo agressivo e intolerante”, em que tantos “sentem-se exilados da sua comunhão mais profunda com Deus e com os irmãos”, são precisos “novos profetas” que, “a partir de uma séria experiência de Deus, projectem sobre a sociedade e a cultura de hoje, a verdadeira esperança que anuncia que Deus continua a Encarnar no Seu Filho, o Verbo Eterno de Deus que se faz um de nós”.

O prelado diocesano fala da necessidade dos cristãos oferecerem “a libertação que os pobres tanto anseiam, mas também  a resposta que a ciência e a razão humana procuram”.

“No contexto da cultura actual, exige-se dos discipulos de Jesus Cristo, isto é, dos cristãos, que ofereçam com gestos concretos a proposta libertadora a todos os excluídos e pobres que anseiam pela redenção das suas vidas”, afirma o bispo de Angra.

D.João Lavrador acrescenta que é através do seu testemunho que serão “sinais de Deus a orientar a inteligência humana para descobrir Aquele que é a resposta a todas as perguntas que a razão humana coloca sobre o sentido da vida e sobre a condição do homem no contexto do mundo actual”.

O bispo de Angra refere a importância de todos aqueles que envolvem a história do nascimento de Jesus, nomeadamente João Baptista, Maria de Nazaré, os pobres pastores e os magos estrangeiros para colher deles o testemunho e o exemplo de conversão e de encontro com Deus, com a sua palavra e com a sua misericórdia.

“Escutando a voz e decifrando os sinais que lhes vêm de Deus, percorrem o caminho que leva a sua vida até junto do presépio”, afirmou.

A mensagem termina com votos de boas festas a todos os açorianos, residentes e não residentes no arquipélago.

“A todos os diocesanos de Angra, que vivem no território dos Açores e os que vivem na diáspora, a todos os que sofrem e são excluídos e que anseiam pela dignidade humana e a todos os que se inquietam pela busca da verdade exorto a percorrer os caminhos que levam até ao presépio e imploro do Menino Deus que a todos abençoe. Faço votos de um santo e feliz Natal”, conclui D. João Lavrador.