Mensagem do Bispo Coadjutor de Angra, D. João Lavrador

A diocese de Angra completa 481 anos, facto que desperta em mim três expressões que são ao mesmo tempo três sentimentos: acção de graças pelo seu grandioso passado, audacioso desafio no presente e esperança projectada para o futuro.

Damos agraças a Deus pela presença amorosa de seu Filho Jesus Cristo que ao longo destes quase cinco séculos de vida acompanhou a vida desta comunidade cristã e despertou tantos discípulos para nos diversos campos de apostolado edificarem uma verdadeira comunidade animada pela fé, comprometida na caridade e na partilha fraterna, e na vivência da alegria e da esperança.

Como memória agradecida temos presentes tantos que edificaram esta diocese, bispos, presbíteros, consagrados e leigos que nas diversas tarefas pastorais se comprometeram com o Evangelho e no serviço aos irmãos.

Mas sobretudo colocamo-nos perante o audacioso presente que reconhecemos na comunidade diocesana à volta do Senhor Dom António Braga, seu Bispo, desafiada à comunhão, à corresponsabilidade entre todos os seus membros, em permanente diálogo com o mundo, fermentando uma nova cultura com a renovação operada pelo Evangelho, servindo a pessoa e a sociedade.

O Espirito Santo projecta continuamente a Igreja para o futuro que aberto à transcendência de Deus não poderá ser outro que pleno de esperança.

Dizemos com S. Paulo, que apesar das dificuldades do tempo presente estas não têm comparação com a glória que há-de revelar-se em todos nós (cfr. Rom. 8, 18).

Alicerçados na firmeza do passado, solidamente enraizados em Cristo sempre presente na vida da Sua Igreja, construímos o futuro através dos valores do Reino de Deus que despertam todos os membros da comunidade diocesana para o testemunho autêntico de Jesus Cristo, Único Salvador, ontem, hoje e sempre.

Dóceis e fortificados pela palavra e pelos gestos proféticos do Papa Francisco, dispomo-nos a edificar a Igreja missionária em todos os seus membros. Como ele próprio nos exorta dizendo que «em todos os baptizados, desde o primeiro ao último, actua a força santificadora do Espírito que impele a evangelizar» (EG, 119). Por isso, cada baptizado é discípulo missionário.

Imploramos de Nossa Senhora, Mãe de Jesus Cristo e Mãe da Igreja que acompanhe a comunidade diocesana dos Açores pelos caminhos que levam à evangelização do mundo de hoje.

+ João Lavrador, Bispo Auxiliar do Porto e nomeado Coadjutor de Angra (Mensagem por ocasião do 481º aniversário da Diocese de Angra)