Iniciativa teve a chancela da Comissão Diocesana de Música Sacra e realizou-se na Sé de Angra

A Direção Regional da Cultura, através da Biblioteca Pública e Arquivo Regional Luís da Silva Ribeiro (BPARLSR) , e o Instituto Histórico da Ilha Terceira promoveram este domingo, num evento conjunto com a Comissão Diocesana de Música Sacra e com o Instituto Histórico da Ilha Terceira e em parceria com a Escola de Música do Conservatório Nacional de Lisboa, a Sé de Angra e o Serviço Diocesano Pastoral de Cultura, um “Concerto Coral Sinfónico”, evocativo dos 150 anos do nascimento de Tomás de Borba.

Neste concerto participaram os Solistas: as sopranos Alla Lanova e Carolina Barbosa;  a contralto Ana Sofia Sousa; os tenores João Rodrigues e Mário João Alves;  e os barítonos Fábio Silveira e Rui Baeta; os Coros da Sé de Angra, do Seminário Episcopal de Angra e Tomás de Borba da Academia Musical da Ilha Terceira; e as orquestras do Conservatório Nacional de Lisboa e da Escola Tomás de Borba . O Concerto teve a direção artística do Pe. Duarte Gonçalves da Rosa, vigário paroquial da Sé e diretor da Comissão Diocesana de Música Sacra.

Tomás Borba nasceu a 23 de novembro de 1867, no concelho de Angra do Heroísmo.

Iniciou a sua aprendizagem musical na Catedral diocesana, sendo moço-cantor. Aos treze anos, ingressou no Seminário Episcopal de Angra, onde cursou Literatura, Filosofia e Teologia. Em 1893 ingressou no Curso Superior de Letras. Completou o Curso Geral de Piano, em 1894, e o Curso Superior de Composição, em 1895. Foi responsável por musicar ainda diversos poemas.

Entre os muitos cargos que desempenhou destacam-se os de presidente do Conselho Musical da Associação de Classe dos Músicos Portugueses, e o de vogal do Conselho Superior de Instrução Pública.

Morreu a 12 de fevereiro de 1950, tendo o seu corpo sido trasladado para a ilha Terceira, onde repousa no Cemitério do Livramento.