A Comissão que coordena a nova tradução da Bíblia da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) lançou este domingo o texto provisório da Carta aos Hebreus, livro do Novo Testamento que suscita dúvidas quanto à autoria em origem geográfica.

“No oriente, a Carta aos Hebreus foi, desde muito cedo, contada entre os escritos paulinos, sinal de que a consideravam uma obra de Paulo. No ocidente, contudo, houve sempre dúvidas sobre a origem paulina deste escrito”, indica uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

O texto refere que, no séc. XVI, Erasmo, Lutero e Calvino se pronunciaram contra a autoria da Carta aos Hebreus pelo Apóstolo Paulo (séc. I), antes de sublinhar que “hoje, a maioria dos estudiosos pensa da mesma maneira”.

“O autor é um mestre que não se considera apóstolo; o estilo, a linguagem e o tema central não correspondem aos dos escritos paulinos. Mesmo assim, as afinidades com a doutrina cristológica e soteriológica de Paulo levam a que grande parte dos estudiosos considere que o seu autor é alguém ligado ao apóstolo, embora se discuta quem”, pode ler-se.

A comissão da CEP explica que a Carta aos Hebreus mistura elementos típicos do género literário epistolar com características de um discurso ou sermão.

“Pensa-se que poderíamos estar diante de uma pregação escrita, possivelmente enviada a uma comunidade distinta da dos ouvintes. Que comunidade? Não se sabe ao certo”, acrescenta a nota, acrescentando que estaria em causa, “muito provavelmente”, uma comunidade em que predominavam os judeo-cristãos de origem helenista.

A introdução ao livro, disponível online, indica que, para além do prólogo e do epílogo, a carta apresenta três grandes unidades.

A unidade central, bastante desenvolvida, põe em evidência o valor incomparável do sacerdócio e do sacrifício de Cristo; organizada em paralelismos simétricos, une elementos expositivos e exortativos, tendo como núcleo, ou ponto capital, a afirmação de 8,1: temos um sumo sacerdote que se sentou nos céus à direita do trono da divina Majestade, o que está na base da exortação a uma vida cristã generosa”.

O texto está disponível para download no site da Conferência Episcopal Portuguesa.

“À semelhança do que tem acontecido com outros textos já disponibilizados, no âmbito deste projeto, a intenção é envolver a comunidade no processo, acolhendo o contributo dos leitores no que, embora sem desvirtuar o seu sentido literal, considerem ser importante para a melhoria da compreensibilidade do texto, tendo em conta que este se destina a ser utilizado em todas as dimensões da vida da Igreja em Portugal, nomeadamente na liturgia”, assinala a comissão.

Em março de 2019, a Conferência Episcopal apresentou o primeiro volume da nova tradução em português da Bíblia, feita por 34 investigadores a partir das línguas originais, com a publicação da edição de ‘Os Quatro Evangelhos e os Salmos’.

Desde agosto de 2021, um novo livro da Bíblia é disponibilizado mensalmente em formato digital, também através dos canais da Agência ECCLESIA.

Os comentários podem ser enviados para o endereço eletrónico biblia.cep@gmail.com.

(Com Ecclesia)