Novas guardiãs da Imagem do Senhor Santo Cristo são religiosas contemplativas das Irmãs do Bom Pastor, congregação presente em São Miguel no apoio às vítimas de violência doméstica

São três as irmãs que vão formar a comunidade contemplativa do Convento da Esperança em Ponta Delgada, tornando-se guardiãs da imagem mais venerada nos Açores, o Senhor Santo Cristo dos Milagres.

Chegam na quarta-feira à noite  a Ponta Delgada e o reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo afirmou ao Igreja Açores que se trata de um momento “de extrema alegria” por “não ter passado sequer um ano para que o convento volte a ter vida” depois da saída das Religiosas de Maria Imaculada, em junho do ano passado.

“É com extrema alegria que vamos receber esta comunidade contemplativa das Irmãs do Bom Pastor, menos de um ano depois da anterior congregação ter saído da região. Ficamos felizes pelo convento voltar a ter vida, uma vida que é quase um regresso às origens pois voltamos a ter uma comunidade contemplativa como aconteceu com a primeira comunidade que habitou o convento”, afirmou o cónego  Adriano Borges.

“Sendo o santuário do Senhor Santo Cristo o lugar a onde chega o maior número de pedidos de oração nos Açores é muito gratificante que estas religiosas contemplativas possam cuidar da oração dos que pedem a intercessão do Senhor Santo Cristo” disse ainda.

As três religiosas que chegarão esta quarta-feira, dia 12 de janeiro, são naturais do Perú, Equador e Brasil e no seu carisma está essencialmente a oração. Têm uma atividade diária contemplativa; dedicam-se às tarefas domésticas e de acolhimento mas não terão atividade pastoral fora do Santuário. Aliás, além da oração serão as guardiãs da imagem zelando pelo aprofundamento deste culto, iniciado por uma outra religiosa contemplativa (de clausura, ao contrários destas), a madre Teresa da Anunciada.

“É como que um regresso às origens e isso é muito interessante” esclareceu o reitor do Santuário que destacou, ainda, a celeridade do processo de escolha desta congregação que” desde o inicio se mostrou muito disponível”.

As irmãs do Bom Pastor estão há muito tempo em São Miguel, concretamente em Ponta Delgada onde servem uma franja da população excluída e vítima de violência doméstica, com uma casa abrigo na Rua de Lisboa.

“Quando as irmãs de Maria Imaculada se foram embora, as irmãs do Bom Pastor, nossas vizinhas, organizaram vários momentos de oração e de adoração ao Santíssimo em ordem a uma substituição rápida das irmãs que tinham partido e, por isso, não deixa de ser curiosa a ação do Espirito Santo” referiu ainda o reitor do Santuário que desde logo acolheu as iniciativas da comunidade de Ponta Delgada.

A Congregação das Irmãs de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor  foi fundada por Maria Eufrásia Pelletier, no século XIX, com o intuito de cuidar da educação de crianças, jovens e mulheres que eram excluídas da sociedade.

A Congregação do Bom Pastor, tem como missão, #ser presença de Jesus Bom Pastor onde são enviadas: aproximar-se de cada pessoa como Jesus o faria: com bondade, aceitação e respeito; despertar nas pessoas que estão feridas pela injustiça, opressão e exclusão, um profundo sentimento da sua dignidade como pessoas, infundindo nelas esperança no seu futuro. Tem também como missão, servir as pessoas no seu contexto familiar e social” refere o site da congregação.

As suas ações são dirigidas, especialmente, a jovens e mulheres ajudo-as a experimentar um sentimento de pertença e de crescimento, desenvolvendo todo o seu potencial. Ao mesmo tempo promovem a justiça e a paz no mundo perturbado pelos conflitos, por sistemas e estruturas que condenam a muitos a viver na marginalidade. A Congregação está presente em 5 continentes com cerca de 4000 membros e cerca de 500 associados. É também uma organização não governamental, (ONG) com status consultivo especial, no Conselho económico e social (ECOSOC), da Nações Unidas, no combate ao tráfico de crianças e mulheres.

As três religiosas que formarão a comunidade residente do Convento da Esperança é composta por três sul americanas mas a Congregação tem muitos membros açorianos. Jacqueline Mendes, natural do Brasil, tem 54 anos e será a superiora da comunidade. É religiosa desde 1989 e tem formação superior em Ciências Religiosas e Filosofia.

Será acompanhada por mais duas irmãs: Juana Salvatierra, natural do Peru, tem 64 anos e é religiosa desde 1991 e Magdalena Pico, natural do Equador, com 63 anos de idade, enfermeira de formação.

Todas são poliglotas, falantes de três ou mais línguas e, para a sua integração nas rotinas açorianas contarão com o apoio das irmãs da Comunidade da Rua de Lisboa que já está nos Açores há largas dezenas de anos. A superiora provincial é natural dos Açores.

As Irmãs do Bom Pastor de Vida Contemplativa “vivem o Carisma do amor misericordioso de Jesus, o Bom Pastor, em total doação ao Senhor e contínua oração de intercessão pela salvação das pessoas, especialmente daquelas a quem a Congregação está a serviço”, refere o site da Congregação.

“Testemunham a Primazia Absoluta de Deus, procurando ser instrumento de reconciliação, através da oração, da ascese evangélica, da vida em comunidade, da Leitura Orante da Palavra e do silêncio”, conclui.