Frei Bento Domingues e Frei José Nunes orientam formação de leigos e de sacerdotes

Realiza-se esta sexta feira 30 de janeiro em Ponta Delgada, e no dia 1 de fevereiro em Angra do Heroísmo, uma formação específica para leigos e agentes de pastoral na Diocese de Angra, tendo como ponto de partida a mensagem do Papa Francisco e as orientações de pastoral nos Açores – A Alegria do Evangelho a partir das periferias- orientada por Frei Bento Domingues e Frei José Nunes, ambos dominicanos.

“Esta formação vai ser muito importante e poderá servir de alavanca a outras formações que são absolutamente necessárias quer para o clero quer para os leigos”, disse ao Sítio Igreja Açores o Vigário Episcopal para a ilha de São Miguel, Pe Cipriano Pacheco.

“Este aspeto formativo tem sido um pouco esquecido. Embora tenhamos feito muitas ações elas não foram projetadas de forma articulada, mas julgo que estamos em tempo de alterar isso e esta formação pode ajudar”, adiantou ainda o sacerdote.

A formação, que será orientada por dois monges dominicanos- Freio Bento Domingues e Frei José Nunes- realiza-se a dois tempos e em dois contextos: um destinado a leigos e agentes de pastoral e outro ao clero diocesano.

O primeiro destinado a leigos tem lugar a 30 de janeiro, na igreja do Colégio, em Ponta Delgada, na ilha de São Miguel, a partir das 20h00. Esta formação será orientada por Frei Bento Domingues, tal como a de Angra, que terá lugar no dia 1 de fevereiro, no salão do Seminário Episcopal, a partir das 20h00 e que é destinada, também, a leigos e agentes de pastoral.

Também estes dois monges irão orientar a formação permanente do Clero nos dias 30 (de tarde) e 31 (de manhã), no Centro Missionário dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, em Ponta Delgada. Já a formação dos sacerdotes, em Angra, terá lugar nos dias 31(Manhã) no Seminário Episcopal de Angra e 2 de fevereiro (Manhã) na Casa de Retiros de Santa Catarina.

“Quisemos aproveitar esta ´oferta´ dos frades dominicanos para aprofundar a mensagem do Papa e procurar corresponder às nossas orientações de pastoral”, disse ao Sítio Igreja Açores o Pe Cipriano Pacheco, satisfazendo uma necessidade “urgente” de formação do Clero “que está longe de ficar assegurada pelos retiros anuais”.

Esta formação surge na sequência do Conselho presbiteral que a definiu como “uma prioridade”.

De resto, o Bispo de Angra, nas orientações diocesanas de pastoral sustenta que é necessária uma “aposta forte” na formação do clero e dos leigos.

Por isso, o prelado dicoesano propôs nessas orientações, para este ano, uma “verdadeira conversão pastoral em chave missionária” assente em três objetivos específicos: a formação dos agentes pastorais, a caracterização da realidade açoriana, a nível cultural, social e eclesial e a análise e revisão das respostas dos serviços pastorais em conformidade com a nova realidade social.

A formação tem como base inspiradora a Exortação Apostólica do papa Francisco – A Alegria do Evangelho- e propõe uma “nova” saída da igreja nos Açores para o terreno em nome de “um melhor conhecimento da realidade insular”.

No essencial, o Bispo de Angra exorta a igreja diocesana a fazer “um exame sério de consciência para avaliar a sua capacidade e prática de acolhimento das pessoas” nas várias instâncias eclesiais.

Mobilizado pelos apelos do Papa Francisco, D. António de Sousa Braga diz que é preciso “colocar em chave missionária a atividade habitual e quotidiana da igreja”, o que “levará a uma dinâmica de reforma das estruturas eclesiais” não no sentido de uma “reorganização estática mas como consequência da dinâmica da missão”.