Na missa crismal, o papa argentino partilhou com os padres as fadigas pastorais

O Papa Francisco explicou, esta manhã, na missa crismal, na Basílica de São Pedro, como os padres devem viver e oferecer o cansaço dos trabalhos pastorais.

“Penso muito e rezo com frequência, especialmente quando sou eu que estou cansado” e “rezo por vós que trabalhais no meio do povo fiel de Deus, que vos foi confiado e muitos fazem-no em lugares demasiado isolados e perigosos”, disse Francisco na homilia da miss crismal.

Devido ao “peso do trabalho pastoral”, o cardeal Bergoglio aconselhou os padres a não caírem “na tentação” de descansarem de “qualquer modo” como se o “descanso não fosse uma coisa de Deus”.

“A nossa fadiga é preciosa aos olhos de Jesus”, no entanto “é difícil aprender a descansar”, sublinhou o Papa argentino.

Na sua reflexão sobre o cansaço, Francisco recordou também os deveres dos padres: “levar a Boa-Nova aos pobres, anunciar a libertação aos cativos e a cura aos cegos, dar a liberdade aos oprimidos e proclamar o ano de graça do Senhor”.

Para os padres, as histórias do povo “não são um noticiário” porque ao conhecê-lo pode-se adivinhar “o que se passa no seu coração”.

Na sua partilha sobre a fadiga que assola muitas vezes os padres, Francisco realça o “povo fiel” não deixa os padres “sem atividade direta, a não ser que alguém se esconda num escritório ou passe pela cidade com vidros escuros”.

 

Este cansaço “é bom e saudável” porque é o “cansaço do sacerdote com o cheiro das ovelhas, mas com o sorriso de um pai que contempla os seus filhos ou os seus netinhos”.

No final da homilia, Francisco pediu aos presentes para aprenderem a estarem cansados, “mas com um cansaço bom”.

Na celebração, Francisco abençoou também os santos óleos que serão utilizados ao longo do ano nos sacramentos do Batismo, Crisma e Unção dos Enfermos.

Daqui a pouco, o Papa começa a celebrar o Tríduo Pascal com a cerimónia do lava-pés na prisão romana de Rebibbia, que começa pelas 17h30 locais (menos duas nos Açores).

Aqui, o Papa vai lavar os pés a alguns detidos e a detidas de uma prisão feminina vizinha. Em 2014 o pontífice argentino deslocou-se ao Centro ‘Santa Maria della Provvidenza’, da Fundação Don Carlo Gnocchi, destinado à reabilitação de pessoas com deficiência e idosos, em Roma; em 2013 esteve numa prisão juvenil da capital italiana.

Na Sexta-feira Santa, o Papa celebra a Paixão do Senhor – Liturgia da Palavra; Adoração da Cruz e Rito da Comunhão – a partir das 17h00, na Basílica de São Pedro.

Na noite deste dia participa na Via-Sacra no Coliseu de Roma, a partir das 21h15, e no final “vai falar aos fiéis e transmitir a bênção apostólica”, informa a Sala de imprensa do Vaticano.

No Sábado Santo, Francisco preside à Vigília Pascal, a partir das 20h30 com a bênção do fogo novo, no átrio da basílica; nesta celebração vai ser batizada uma portuguesa que foi convidada pelo Papa para participar nesta cerimónia.

O Domingo de Páscoa começa com a celebração da Eucaristia às 10h15 na Praça de São Pedro e depois o Papa concede a Bênção ‘Urbi et Orbi’, (à cidade [de Roma] e ao mundo), às 12h00 na varanda central da Basílica de São Pedro.

CR/Ecclesia