A comunicação e os desafios da pós pandemia são o tema em destaque, na iniciativa que decorre entre 23 e 24 de setembro em Fátima.

A análise do tempo atual tendo “como lente o papel da comunicação” vai estar em destaque na edição deste ano das Jornadas de Comunicação Social, organizadas pelo Secretariado Nacional das Comunicações Sociais da Igreja Católica.
As jornadas, a realizar na Domus Carmeli, em Fátima, nos dias 23 e 24 de setembro – podendo ser acompanhadas também pelos meios digitais -, vão contar com a partilha feita por cada Secretariado Diocesano das Comunicações Sociais “acerca de experiência ou projetos que marcaram a vida pastoral diocesana”, enquanto o secretário da Comissão das Comunicações Sociais de Espanha, padre José Gabriel Vera, vai falar sobre a sua experiência e perspetivar o futuro no plano da Comunicação das Dioceses, informou hoje o presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais e bispo de Angra, João Lavrador.
Promovidas pelo Secretariado Nacional das Comunicações Sociais, da Conferência Episcopal Portuguesa, as jornadas começam ao início da tarde de dia 23 e terminam ao fim da manhã do dia seguinte, e vão também “fazer um roteiro de comunicação através de cinco verbos – incluir, apoiar, aprender, conhecer e aproximar”, antes da conferência de encerramento do encontro, a cargo de Nelson Ribeiro, diretor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa, que intervirá em torno da frase do papa Francisco “comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são”.
Isabel Figueiredo, diretora do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais, citada pela agência Ecclesia, afirmou que a pandemia trouxe mudanças ao setor que obrigam a um novo “olhar” e, mais do que fazer um “balanço do certo e do errado” no que foi feito durante os últimos meses, interessa “olhar para a frente”, estando “junto dos profissionais, de quem comunica”.