Iniciativa foi divulgada através da Plataforma online Makobo e granjeou a simpatia de jovens e menos jovens desta freguesia de Ponta Delgada

A Paróquia dos Mosteiros, da zona oeste da ouvidoria de Ponta Delgada, através da Plataforma Solidária Makobo, levou a cabo uma angariação de fundos a favor dos projetos que já estão implementados no terreno, para ajuda na luta contra o flagelo que se vive em Moçambique, nomeadamente em Cabo Delgado, de recrutamento de crianças para guerrilhas e conflitos e todas as situações de falência social daí decorrentes.

Uma nota enviada ao Igreja Açores esta quarta-feira informa que a iniciativa decorreu durante a celebração da Eucaristia do Império da Santíssima Trindade, através da realização de uma “coleta monetária para o efeito”. Além disso, alguns grupos de catequese fizeram renúncias para o mesmo contributo e depois do anuncio da iniciativa “prosseguiram algumas ofertas anónimas”, refere a nota.

No final da celebração usou da palavra a conhecida cantora Vânia Dilac, ex-concorrente do programa televisivo “The voice”, natural de Moçambique, embaixadora nos Açores da organização mundial “Care for children”, cujos projetos já foram divulgados nos meios de comunicação regionais.

Ao apresentar o projeto e ao falar da sua ligação à Terra Natal Moçambicana, a cantora agradeceu os donativos e manifestou a sua gratidão e ligação aos Mosteiros, nomeadamente em concertos e eventos musicais passados com músicos dos Mosteiros.

A artista aproveitou a oportunidade para dirigir uma mensagem aos jovens presentes, alertando-os para a sorte que é poderem viver a sua fé em liberdade e de forma espontânea em contraste aos jovens moçambicanos, sobretudo desta zona de Moçambique, onde as perseguições religiosas estão a ser motivo para chacinas e pilhagens em massa.

O Pároco, padre Marco Sérgio Tavares, lembrou o papel da Igreja Católica no terreno, nomeadamente através da organização internacional Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), cujos projetos e meios de contribuição estão amplamente difundidos nas redes sociais e sítios cibernéticos.

Em maio deste ano, o governador da Provincia alertava para o estado de emergência da zona. Os ataques começaram em 2017. São mais de três anos, mais de 700 mil deslocados, o que significa cerca de 30% da população de Cabo Delgado afectada..