Projecto abrange agora crianças dos 3 aos 12 anos numa perspetiva de sensibilização ambiental

O projeto As Nossas Quintas-, que conseguiu aprovação de financiamento no passado mês de outubro-, vai desenvolver diversas ações com diferentes públicos-alvo nas áreas da sensibilização e defesa do ambiente, através de apoio financeiro para a implementação de ações efetivas em benefício dos cidadãos europeus sobre alterações climáticas e vida sustentável (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável 11, 12 e 13).

Cofinanciado pela União Europeia, no âmbito do programa DEAR (Development Education and Awareness Raising) e pelo Instituto Camões I.P. – Instituto da Cooperação e da Língua, gerido em Portugal pela AMI – Fundação de Assistência Médica Internacional, este projeto desenvolvido pela Cáritas da ilha Terceira terá um período de execução de 12 meses, envolvendo crianças entre os 3 e os 12 anos em atividades práticas e teóricas para a promoção e produção de hortícolas e com as famílias na criação e implementação de hortas domésticas e comunitárias tendo em vista o autoconsumo e a promoção da sustentabilidade ambiental.

O CDIJ-CIT é uma estrutura de âmbito comunitário vocacionado para a promoção do desenvolvimento saudável de jovens em situação de risco, sendo facilitador de uma verdadeira integração social dos mesmos, através da promoção de competências pessoais, sociais, educativas e de empregabilidade de jovens entre os 14 e os 25 anos.

Recorde-se que a instituição já registou a marca “As Nossas Quintas”, que tem desenvolvido projectos que se assumem como um contributo para o desenvolvimento sustentável de ações inovadoras que possibilitem a integração de jovens e beneficiários que se enquadrem na perspetiva da intervenção local cujo resultado a obter é o equilíbrio entre a intervenção social, a promoção das competências pessoais, sociais e de empregabilidade de públicos em situação de maior vulnerabilidade social, apostando sempre no que é local e potenciador de oportunidades inovadoras e de empregabilidade.

Atualmente, a Empresa Social de Inserção, desenvolve ações de produção, transformação e comercialização de produtos hortícolas e frutícolas em modo biológico, bem como produção e comercialização de pastelaria tradicional açoriana, promovendo, ainda, serviços de coffe break.

A Empresa Social de Inserção emprega quatro jovens com contrato de trabalho, dois a realizar Estagiar T e outro através de um programa ocupacional de emprego.