Santuário diocesano celebra 60.º aniversário abrindo espaços para peregrinos e iniciativas solidárias

A ilha de São Miguel começa hoje a celebrar as festas anuais do Senhor Santo Cristo dos Milagres, num contexto particularmente especial do 60º aniversário da elevação do Santuário a santuário diocesano.

As festas, que são organizadas pelo Santuário do Senhor Santo Cristo e pela respetiva Irmandade inspiram-se no lema de São Paulo ‘Ai de quem não evangelizar’ e vão ser presididas pelo arcebispo português D. José Avelino Bettencourt, natural dos Açores, e núncio apostólico (embaixador da Santa Sé) na Arménia e da Geórgia.

Ontem foi apresentada a Capa, oferecida por uma emigrante no Canadá, que irá cobrir a imagem do Senhor Santo Cristo durante as duas procissões que ocorrerão no sábado e no domingo. Paralelamente foram apresentadas as duas alfaias litúrgicas- o cálice e a patena- que irão ser utilizadas durante as celebrações e que são uma oferta ao arcebispo açoriano para assinalar a passagem dele pelas festas neste ano jubilar.

Ontem na conferência de imprensa, em que participaram os principais responsáveis pelas festas, o bispo de Angra, D. João Lavrador desafiou os peregrinos a serem os novos evangelizadores e que estas festas continuem a levar às pessoas a boa nova do Evangelho.

“Cada um deve estar ao serviço da própria comunidade que se deve articular com os outros” e por isso “façamos deste momentos uma oportunidade para  transmitir uma mensagem de esperança e que sejamos motivadores de Boa Nova que é aquilo que as pessoas estão à espera”, afirmou o Bispo de Angra.

D.João Lavrador espera que “as festas, deste ano, continuem a ser uma proposta de boa notícia para as pessoas que vêm à procura do Senhor Santo Cristo para transformar a sua vida”. Um desejo expresso a partir da Mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, que se celebra no domingo de Pentecostes.

Já o Reitor do Santuário, Cónego Adriano Borges aproveitou para se referir aos investimentos que o Santuário tem desenvolvido ao nível da recuperação do seu património para melhorar as condições de acolhimento dos peregrinos seja do ponto de vista da valorização do património cultural seja do ponto de vista do acolhimento social.

As festas começam esta noite com a inauguração da iluminação na fachada da Igreja do Convento e no Campo de São Francisco. Nessa altura, o prelado deixará uma mensagem a todos os peregrinos seja os que participam na festa seja os que a seguem através dos meios de Comunicação Social.

Recordo que a RTP Açores e a RTP Internacional transmitirão as procissões de sábado e de domingo bem como a Missa Campal de Domingo.

Estes são os dois dias mais importantes da festa.

No sábado, as atenções viram-se para o Campo de São Francisco onde decorre a procissão da mudança da imagem, durante a qual milhares de peregrinos cumprem as suas promessas; é nesta altura que a imagem é entregue à Irmandade pelas irmãs religiosas de Maria Imaculada.

A irmandade do Senhor Santo Cristo será a guardiã da imagem nas 24 horas seguintes, sendo responsável por todas as celebrações, nomeadamente, a mudança da imagem do convento para a Igreja de São José, à noite, para a vigília de oração e depois pelo seu regresso ao Convento para a Missa de domingo, ao ar livre; segue-se a Procissão solene pelas principais ruas de Ponta Delgada, passando por todas as ermidas e conventos do Centro histórico da cidade, num percurso que demora sensivelmente quatro horas a ser feito.

A procissão termina no campo de São Francisco e nessa altura a Imagem é “devolvida” às irmãs que zelarão por ela durante todo o ano, ficando exposta no Coro Baixo do Convento da Esperança.

Encerrado no coro baixo do Convento ao longo de todo o ano, o Santo Cristo – uma imagem do “Ecce Hommo”, com mais de 400 anos, oferecida às freiras clarissas pelo Papa Paulo III – sai à rua apenas no quinto fim-de-semana a seguir à Páscoa e a devoção ao Santo Cristo foi introduzida em São Miguel pela madre Teresa D´Anunciada.