Visita a seis grupos bíblicos segue esquema tradicional da leitura, meditação e partilha da Palavra de Deus

Levar a Bíblia para a vida, despertando as pessoas para a importância da palavra de Deus no quotidiano concreto, é o principal objetivo do Secretariado Bíblico de São Miguel, que a partir de hoje inicia uma série de visitas aos 10 grupo bíblicos da ilha.

“Estes encontros servem essencialmente para despertarmos as pessoas para a importância de levar a Bíblia para o dia a dia, nas situações mais cocnretas do seu quotidiano” refere ao Sítio Igreja Açores, o coordenador do Secretariado Bíblico de São Miguel, Emanuel Correia, lembrando que a palavra de Deus “não pode ser só palavra tem de implicar ação”.

Os encontros “familiares” têm como ponto de partida a leitura de dois textos bíblicos- o Encontro de Jesus com a Samaritana e o episódio dos dois discipulos a caminho de Emaús- “que se interligam e remetem para uma mensagem muito positiva que é a do encontro de Jesus quer com uma mulher cheia de problemas quer com dois descrentes”, disse o responsável.

E dá como exemplo o momento atual que a sociedade em geral, e a açoriana em particular vive.

“As pessoas andam tristes e estes dois textos revelam que através do encontro com Jesus ressuscitado podemos encontrar forças para o futuro e reencontrarmos a esperança”, sublinha Emanuel Correia.

Acresce que “nesta altura é também um sinal de que a Quaresma tem de ter Páscoa, e é a essa Páscoa que nos impele a palavra de Deus, despertando-nos continuamente como despertou a Samaritana ou os dois díscípulos”, conclui.

As visitas com os grupos biblicos começam em São Pedro, na cidade de Ponta Delgada e prosseguem no Pico da Pedra, com o grupo “Pedras Vivas” (11 de março); depois na Ribeira Quente com o grupo “São Paulo” (25 de março); Maia com o grupo “Espírito Santo” (26 de março); Covoada e o grupo “Sal da Terra” (18 de abril) e Ponta Garça e o grupo “São Mateus” (em data ainda a confirmar).

“Gostaríamos de fazer esta visita a todos os grupos antes do fim da Quaresma mas não nos é possivel”, referiu ainda Emanuel Correia que quer também aproveitar estes momentos para promover o espirito de uma “maior coordenação” entre os vários grupo bíblicos.

“Nós trabalhamos em comunidade e procuramos sempre o mesmo fim mas é preciso que exista uma maior coordenação”, frisa deixando um desafio que passa pela criação de Escolas Bíblicas em toda a ilha.

“Sei que existem projectos nesta linha que já estão a funcionar, nomeadamente na Fajã de Baixo, na Saúde, nos Arrifes, na Lagoa ou nas Capelas. Gostaríamos de alargar este trabalho de formação e que pudessemos cooperar mais em prol de um melhor conhecimento daquilo que é essencial que é conhecer a palavra de Deus e vivê-la todos os dias”, diz o novo responsável pelo Secretariado Bíblico de São Miguel.