Pe. Adriano Borges participou no XI Encontro Nacional de Reitores de Santuários portugueses e reconhece que a devoção mariana na maior ilha do arquipélago justifica um santuário novo

A devoção mariana dos micaelenses, que são quase metade da população açoriana e as pretensões já várias vezes manifestadas pelo povo de Vila  Franca do Campo justificariam a existência de um santuário mariano na ilha de São Miguel, disse ao Igreja Açores o reitor do santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres, em Ponta Delgada

“Os micaelenses têm uma devoção mariana muito grande e não têm um santuário mariano. São  Miguel tem cerca de metade da população dos Açores e por isso os devotos de Nossa Senhora são em muito maior numero. Julgo que deveria haver um diálogo concreto entre a diocese e os que defendem a criação de um santuário mariano para ir ao encontro das pretensões dos fieis”, refere o sacerdote à margem do Encontro de Reitores.

Em causa está a criação de um santuário na Ermida da Senhora da Paz, na encosta de Vila Franca do Campo.

Este pedido já foi feito formalmente à diocese, ainda no tempo do anterior bispo de Angra, D. António de Sousa Braga mas nunca surtiu efeito. Ao que foi avançado ao Igreja Açores dúvidas canónicas estiveram sempre na base das decisões tomadas até então.

“A decisão de criar este novo santuário esbarra sempre no direito canónico e nunca atendemos à vivência da fé das pessoas” conclui lembrando que só a ilha Terceira tem santuários marianos.

O sacerdote desafiou mesmo a que a diocese aproveite o ano de 2018, em que se comemora o 50º aniversário da declaração do dia 1 de janeiro como o Dia Mundial da Paz, pelo Papa Paulo VI, para declarar a Ermida da Senhora da Paz como o Santuário da Paz.

Trata-se de uma reivindicação antiga da comunidade paroquial de Vila Franca do Campo que tem pedido várias vezes a elevação da Ermida a Santuário.

“Pedimos que reconheça aquilo que o nosso povo e a alma micaelense têm como pacifico: que a Ermida de Nossa Senhora da Paz, no alto do Monte em Vila Franca do Campo, seja o primeiro Santuário Mariano da ilha de São Miguel, como dita e aclama a piedade popular”, disse o pároco da Matriz de Vila Franca, Pe José Borges, em nome “do que vai no coração de todos”, numa celebração em novembro de 2014, diante do então bispo de Angra, D. António de Sousa.

“Este é um lugar especial de vivência cristã para o nosso povo, verdadeiro santuário de espiritualidade mariana para a população de São Miguel”, sublinhou o Pe José Borges.