Numa nota intitulada “Natal- a esperança de um mundo mais fraterno” a equipa da pastoral social pede o envolvimento de toda a comunidade num trabalho em rede

O Serviço Diocesano da Pastoral Social apela à comunidade açoriana em geral para se empenhar na luta contra “o fosso” entre ricos e pobres que se tem “agravado” no arquipélago dos Açores.

Numa nota intitulada “Natal- a esperança de um mundo mais fraterno”, inspirada nos documentos do magistério da Igreja , sobretudo a Doutrina Social da Igreja,  a equipa informa que “Nos Açores uma parte muito significativa da população vive abaixo ou mesmo no limiar da pobreza” e os estudos revelam que o “fosso entre os muitos que pouco têm agrava-se em relação aos poucos que mais possuem”.

“São dados indesmentíveis que devem levar as comunidades a envolverem-se na solução do problema” afirma a equipa da Pastoral Social insular sublinhando que este alerta nesta época faz sentido porquanto “ há uma maior sensibilidade e abertura à situação em que vive uma parte significativa da sociedade”.

“A própria sociedade, traduzindo em gesto de partilha e de solidariedade a Sua mensagem de Amor, está mais sensível e recetiva aos problemas e carências dos pobres e desfavorecidos, e colabora nos peditórios e campanhas de angariação de géneros que nesta quadra são promovidos pelas mais diversas organizações humanitárias” refere a nota que pode ser lida na integra aqui.

A equipa chama a atenção para a necessidade do trabalho em rede.

“Esta ajuda só será bem sucedida se houver um trabalho programado, em rede e continuado, com a participação de instituições sociais, do voluntariado, a ajuda de proximidade e da própria vizinhança, que promova a autonomia e libertação de todas as formas de exclusão” refere a nota que cita abundantemente o Papa Francisco nos seus mais recentes documentos, nomeadamente a carta apostólica Admirabile Signum (Sinal Admirável), sobre o significado e valor do Presépio, considerando o nascimento de Jesus, um “acontecimento único e extraordinário que mudou o curso da história”.

“O repto lançado pelo Papa, constitui um programa de ação para os cristãos” diz a nota do Serviço Diocesano da Pastoral Social que recorda que a vivência da quadra natalícia “constitui um momento de reflexão importante sobre a vinda e o Nascimento de Jesus e as propostas de salvação que Ele nos deixou.”

“Para os que acreditam na Boa Nova do Evangelho, `os pobres salvam-nos, porque nos permitem encontrar o rosto de Jesus Cristo´”, conclui a nota.