Estudantes, pessoal docente e não docente das escolas da cidade fazem romaria entre a Escola das Laranjeiras e a freguesia de Santa Bárbara

Cerca de 80 pessoas entre alunos, professores, auxiliares e familiares dos estudantes, participaram este sábado na 14ª Romaria Escolar de Ponta Delgada, cumprindo “uma tradição mas sempre com o intuito de lançar novas sementes”.

“O grupo é muito bem disposto e tem se mostrado muito disponível para a reflexão, com um espírito muito comprometido e por isso a Romaria tem corrido muito bem”, disse ao Sítio Igreja Açores, Bento Aguiar, delegado do Serviço Diocesano de Apoio à Pastoral Escolar, organizador desta iniciativa.

“A romaria é uma tradição muito açoriana, em especial nesta ilha, e nós queremos lançar sementes para o futuro. Para um jovem é mais fácil apreender se vivenciar do que se só ouvir falar”, sublinha o Professor de Educação Moral e Religiosa Católica na Escola Secundária Antero de Quental.

Este ano por ser o Ano da Vida Consagrada, as meditações têm sido sobre isso: “fizemos um terço meditado sobre a Vida Consagrada, o que é ser missionário e também pedimos muito pela saúde do D. António”, conclui.

António Canotilho, é o grande impulsionador desta iniciativa. Docente de Educação Física na Escola Canto da Maia, também em Ponta Delgada, foi juntamente com a mulher, Gabriela Porto, docente da mesma disciplina mas na Escola das Laranjeiras, o grande impulsionador da Romaria Escolar.

“Estes miúdos são cristãos, andam na catequese e têm a disciplina de Educação moral e Religiosa Católica na escola, mas é neste espaço de convívio e de partilha que aprendem algumas coisas de forma especial”, refere ao Sítio Igreja Açores fazendo a analogia entre a romaria e a vida.

“Esta caminhada no fundo simboliza a vida que é feita de sacrifico-andar 24 km debaixo de sol, com vento ou com chuva não é fácil-  mas chegam ao fim,  através da ajuda do amigo e da ajuda de Cristo. O que acontece também na vida, onde se podem vencer os obstáculos mais difíceis com espírito de sacrifício e fé”.

A Romaria Escolar de Ponta Delgada realiza-se no mesmo dia de outras romarias escolares em toda a ilha de São Miguel. Este ano, o percurso foi diferente, entre Ponta Delgada e Santa Bárbara. De resto, a ajuda na caminhada foi assegurada por quatro romeiros do Rancho de Santa Bárbara.

“São todos novos e nenhum tem experiência de romaria mas só o facto de aqui virem já mostra como respeitam a sua tradição” disse ao Sítio Igreja Açores o Mestre de Santa Barbara, José António.

Romeiro há 40 anos, Mestre há 17, José António que já cumpriu este ano a sua Romaria, na primeira semana da Quaresma, lembra que andar na estrada não é fácil “mas o Espirito Santo ajuda-nos tal como no resto dos dias da vida”.

“O que eu digo aos meus romeiros é que quando acabamos a semana de caminhada só demos passos pois dali para a frente é que começa a verdadeira romaria. Foi o que disse hoje a estas crianças e a estes adultos. De nada serve caminhar se depois não trazemos o evangelho para a vida”, conclui.

Á hora desta Romaria Escolar saía de Ponta Delgada outra Romaria diferente. 900 senhoras caminhavam de Santa Clara para as Calhetas de Rabo de Peixe, na Ouvidoria da Ribeira Grande. Catarina, aluna da Canto da Maia, não se esqueceu das tias.

“Elas estão na Romaria das mulheres e eu estou aqui. Vamos rezar todas juntas” disse ao Sítio Igreja Açores. É a primeira vez que participa porque “antes era muito nova” mas “acho que vou fazer mais vezes porque estou a adorar. Tenho cantado muito e isso é bom” refere com os olhos brilhantes. Ao lado, a Maria Inês acrescenta: “O meu pai que já foi romeiro disse uma vez que era muito bonito ver o sol nascer, cantar e falar com Jesus. Não tenho feito outra coisa, mas não posso dizer o que pedi porque é entre mim e Ele”. Para já, apenas quis partilhar que “o que já aprendi hoje, de uma forma muito bonita, é que a amizade vale mais que tudo”.

A Margarida vem pelo segundo ano. “Tem sido diferente porque para além das Avè-Marias temos cantado outras coisas” , mas no essencial “é igual porque continuamos acompanhadas por Jesus”.

Hugo é um veterano. Participa na Romaria Escolar há sete anos. “Gosto das coisas da Igreja e como para o ano quero ir no rancho da minha paróquia, esta romaria é uma espécie de preparação”. “O que faço aqui? Tento agradecer a Deus o que ele me dá de bom e também lhe pergunto o porquê do menos bom”, refere com a certeza de quem já anda na Romaria “há algum tempo”.

A 14ª Romaria Escolar de Ponta Delgada terminou com uma celebração eucarística em Santa Bárbara, para onde confluiu também a Romaria Escolar da Ouvidoria das Capelas. A celebração foi presidida pelo ouvidor, Pe Horácio Dutra.