Projeto é inovador e pretende centrar ofertas nos desejos das crianças e jovens

O Lar Mãe de Deus, em Ponta Delgada tem este ano uma “Árvore de Natal dos Sonhos”, que pretende concretizar os desejos das crianças e jovens acolhidas na instituição.
“Esta árvore pretende materializar desejos destas crianças e jovens acolhidos no Lar. E cada bola da nossa árvore deste ano tem um pedido especial de uma criança – um pequeno sonho, um desejo de um brinquedo, uma doçura natalícia”, disse Sofia Carvalho, a coordenadora técnica do Lar da Mãe de Deus, em declarações à agência Lusa.
A “Mãe de Deus”, fundada pelo Padre César Augusto Ferreira Cabido, em 1855, é uma instituição particular de solidariedade social (IPSS) com capacidade para acolher crianças e jovens encaminhadas na sequência de uma medida de promoção e proteção.
As crianças e jovens acolhidos estavam numa situação de perigo e, por decisão do Tribunal ou das Comissões de Proteção de Menores, foram encaminhados para aquela instituição.
“Estamos a chegar à época do Natal, um período em que normalmente o Lar da Mãe de Deus recebe muitos donativos. E, este ano, a equipa técnica, composta por seis elementos, decidiu fazer uma iniciativa diferente, já que em vez de recebermos donativos achamos que a criança e o jovem poderiam escrever os seus  pequenos desejos”, explicou Sofia Carvalho.
Para transformar os sonhos destas crianças e jovens em realidade, basta ir ao Lar da Mãe de Deus, em Ponta Delgada, localizado perto da Universidade dos Açores e escolher uma bola ou ligar para o 296 283 013 para conhecer a lista dos desejos e escolher qual quer realizar.
“As bolas podem ser recolhidas até dia 13 de dezembro. As pessoas vão ao Lar, escolhem a bola que querem. E cada bola tem a idade e um código com as iniciais da criança e do jovem e a que casa de acolhimento que pertencem”, explicou, frisando que a procura pelas bolas “tem sido enorme”.
As prendas serão “entregues no dia 24 de dezembro em cada casa de acolhimento numa ceia de natal, tal como em todas as famílias”, disse Sofia Carvalho.
De acordo com a responsável, os desejos destas crianças e jovens acolhidos “são sonhos normais consoante a faixa etária”, já que “os adolescentes pedem roupas ou perfumes” e “as crianças bonecas ou carros, no fundo brinquedos”, mas “o grande desejo afetivo seria ir para casa”.
A instituição tem sete valências de acolhimento, que, segundo a coordenadora técnica do Lar, têm um total de 44 crianças e jovens desde os 0 aos 23 anos.
“Não é só o gesto de doar, é pensar na criança”, referiu, ao destacar a importância da iniciativa.
(Com Lusa)