Prelado sublinhou a maternidade de Maria, destacou o dia Mundial da Paz e falou da missão evangelizadora que está confiada a cada cristão

O bispo de Angra presidiu esta manhã à Missa  que assinala a Solenidade de Santa Maria Mãe de Deus e o primeiro dia do ano- Dia Mundial da paz-, na Catedral em Angra do Heroísmo.

Na homilia, D. João lavrador sublinhou o significado da maternidade divina de Maria de Nazaré.

“A maternidade divina de Maria de Nazaré continua hoje na Igreja e na vida de todos os discípulos de Jesus Cristo” pois pelo nascimento de Jesus Cristo, no qual intervém Maria de Nazaré, “fomos resgatados do pecado e nos tornámos filhos adoptivos”.

“Somos, deste modo, beneficiados pela Maternidade divina de Maria de Nazaré porque pela acção do mesmo Espirito somos reconduzidos à filiação divina”, refere o prelado sublinhando que além deste amor há, em Maria de Nazaré, um convite implícito à missão. Por isso, desafiou os cristãos diocesanos insulares a imitar Maria de Nazaré na disponibilidade para a missão.

“Estando a nossa diocese a empenhar-se na caminhada sinodal com a qual pretende animar e despertar todos os baptizados para a sua participação activa na vida e missão da comunidade cristã, a contemplação do presépio e a interpelação que nos vem de cada uma das pessoas que o integram ajuda-nos a descobrirmos o que se exige de um discípulo a partir do encontro com a pessoa de Jesus Cristo”, afirmou o prelado.

D. João Lavrador referiu-se também ao facto desta solenidade estar “enriquecida” pela “Mensagem e apelo do Santo Padre para que edifiquemos um mundo onde a Paz tenha uma cidadania duradoira”.

“Imploremos da parte de Deus as Suas bênçãos para todos os povos, nomeadamente aqueles que mais necessitam da presença e protecção de Deus” afirmou D. João Lavrador.

“Neste dia da Solenidade de Maria a Mãe de Deus, do Dia Mundial da Paz e no começo de mais um ano, formulo os meus sinceros votos de um feliz ano para todos os diocesanos, quer estejam na Região Autónoma dos Açores, quer estejam na diáspora; que seja um ano abençoado por Deus sobretudo para os pobres, os excluídos, os marginalizados e desempregados, para as famílias, crianças, jovens e idosos” afirmou.

O prelado terminou a homilia pedindo, ainda, a intercessão de Nossa Senhora “Mãe de Deus, Mãe e Rainha dos Açores” , abençoando e conduzindo todos os batizados “pelos caminhos que levam à evangelização do mundo de hoje”.