Ex-diretor da União tinha 93 anos

Faleceu esta quarta feira Artur Cunha de Oliveira, escritor, político, ex-diretor da União e ex-presidente da Comissão Diocesana Justiça e Paz.

Artur Cunha de Oliveira nasceu a 30 de Setembro de 1924 em Lawrence – Massachusetts -, nos Estados Unidos da América.

Filho de mãe graciosense e de pai micaelense, Cunha de Oliveira foi para a Graciosa, com 7 anos de idade, para a freguesia de Guadalupe, onde frequentou a escola primária. Ingressou cedo no Seminário, para prosseguir estudos e mais tarde, já depois de terminado o sexénio foi para Roma estudar e aí se forma em Sagrada Escritura, Teologia Dogmática e Ciências Bíblicas. É em Roma que Artur Cunha de Oliveira se inicia na participação política entre 1946-47, quando era um jovem estudante de Teologia em Roma.

Artur da Cunha Oliveira, sacerdote católico dispensado do ministério, foi professor no Seminário Episcopal de Angra, cónego da Sé, assistente diocesano de vários movimentos, organismos e associações de apostolado e, na sociedade civil, diretor do diário A União, co-fundador do Instituto Açoriano de Cultura de cujas Semanas de Estudo dos Açores foi secretário permanente durante vários anos.

Foi presidente da Comissão Administrativa da Junta Geral do Distrito Autónomo de Angra do Heroísmo, diretor e fundador do Departamento Regional de Estudos e Planeamento dos Açores (DREPA), deputado ao Parlamento Europeu, presidente da Comissão Diocesana de Justiça e Paz e da Assembleia Municipal de Angra do Heroísmo.

Hoje em dia, considerava-se um crente que mantinha um espírito crítico e que olhava preocupado para o “divórcio profundíssimo” entre a comunidade cristã e a sociedade científica “como se houvesse uma oposição tremenda entre a Razão e a Fé”.

O seu corpo poderá ser velado na Igreja de São Carlos. O funeral realiza-se esta quinta feira.