Evento realiza-se de 13 a 19 de janeiro

O secretariado Bíblico de São Miguel promove, em parceria com as ouvidorias das Capelas e da Povoação, as Jornadas Bíblicas sobre as Cartas de São João, informa uma nota enviada ao Igreja Açores pela organização.

As reflexões estarão a cargos dos padres Ricardo Tavares, na ouvidoria das Capelas, no Centro Cultural dos Fenais da Luz, entre 13 e 15 de janeiro e Davide Barcelos, no dia 19, no Centro Pastoral das Furnas, ouvidoria da Povoação.

O Padre Ricardo Tavares aprofundará as Cartas de São João e o padre Davide Barcelos a Esperança no livro do Apocalipse.

As três cartas fazem parte do Novo Testamento. Apesar do autor não se identificar diretamente, alguns pais da igreja, entre eles Clemente de Alexandria, Orígenes e Tertuliano, nomearam João como autor. As cartas terão sido escritas nos anos  finais da vida de João, por volta de 80 e 95 DC. Nestes documentos, João procura, por um lado, esclarecer algumas questões relevantes para a igreja em construção, nomeadamente a identidade e o pensamento de Jesus Cristo; e com isso responder aos questionamentos dos crentes, fortalecendo a fé de toda a igreja. É nestas cartas que João exorta os membros da igreja emergente a amarem-se uns aos outros, evitando as divisões.

Numa nota enviada ao Igreja Açores, o padre Ricardo Tavares, especialista em Sagrada Escritura, salienta que nas reflexões que vai propor, a propósito dos temas “O que é o amor” ou “Quem é o amor”, procurará, num primeiro momento dar a conhecer a posição das três cartas joânicas no todo do Novo Testamento e do inteiro Cânon Bíblico, assim como o contexto histórico-religioso em que foram compostas. Neste aspecto, “serão apresentadas as problemáticas do docetismo e do gnosticismo, que deram origem às grandes discussões teológicas dos primórdios do cristianismo”.

Num segundo momento, as cartas “serão abordadas como um tratado sobre o amor, não enquanto sentimento, mas como um `pragma´, palavra que actua, Espírito que Se faz carne, Deus que Se faz humano”.

“O amor será focado como entidade pessoal com um conhecimento, não teórico, perfeito, angélico, imaculado, mas inventivo, arriscado, imperfeito, interactivo com os outros, no sentido de os promover no bem” salienta o sacerdote na nota enviada ao Igreja Açores.

Para esta iniciativa, os participantes deverão fazer-se acompanhar da Bíblia.

Já a última reflexão, sobre a Esperança no livro do Apocalipse, remete-nos para essa novidade da esperança cristã, baseada na fé em Deus que sempre cria novidades na vida do homem, na história e no cosmos.

A entrada nos dois momentos é livre.

(Noticia atualizada às 9h30 de hoje, dia 8 de janeiro)