Iniciativa decorreu no auditório da Câmara Municipal e contou com o apoio da paróquia da Mãe de Deus e do Grupo de Amigos da Ermida

O livro “Ermida Santa Bárbara na Imprensa Micaelense: Compilação dos artigos publicados desde os finais do século XIX até à atualidade”, uma obra organizada por Kevin Miguel Vieira, foi lançado este sábado depois da sua apresentação ter estado prevista para janeiro de 2021. O livro conta com o prefácio do padre João da Ponte e foi apresentado pela professora da Universidade dos Açores Susana Goulart Costa.

O livro reúne, pela primeira vez, os artigos que se encontram plasmados nos principais jornais micaelenses, à cerca deste templo que se considera o legado da mais antiga Igreja de São Miguel.

Artigos, opiniões e reportagens sobre a reconstrução da ermida, depois do terramoto de 1879 e a sua inauguração ocorrida a 4 de novembro de 1894; os vandalismos de que foi alvo na década de 1970; as promessas da sua recuperação por parte dos sucessivos executivos camarários; as inúmeras iniciativas da sociedade civil povoacense para a sua recuperação; o papel decisivo do Movimento para a Recuperação da Ermida de Santa Bárbara; as tão desejadas obras e, finalmente, a sua reabertura ao culto  em 2018, depois de mais de quatro décadas encerrada, preencheram muitas colunas dos principais jornais micaelenses que agora são trazidas novamente à luz do dia pela mão do investigador Kevin Vieira.

A obra foi fruto de uma edição conjunta da Paróquia de Nossa Senhora Mãe de Deus e do Grupo de Amigos da Ermida de Santa Bárbara, que conta com o alto patrocínio da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia

Acredita-se que este é o primeiro templo edificado na ilha, no local onde os primeiros povoadores celebraram a primeira  missa, quando do início do seu povoamento, no século XV. Foi erguida por iniciativa de Mateus Dias,  descendente da família de Jorge Velho, um dos primeiros povoadores.

Ao longo dos séculos sofreu diversas alterações, principalmente devido aos desastres naturais que assolaram a ilha. A última teve lugar em fins do século XIX após ter sido severamente danificada pelo terramoto de 1879.

A festa de Santa Bárbara tem lugar a 4 de dezembro. Na diocese de Angra existem oito paróquias com a invocação de Santa Bárbara: Nos cedros, na ilha do Faial; na Fonte do Bastardo e em Santa Bárbara, na ilha Terceira; nas Manadas, em São Jorge; no Pico; nas Capelas e na Ribeira Grande.