Francisco sublinha «comunhão concreta» criada na celebração comunitária

O Papa disse hoje no Vaticano que a celebração da Missa é mais do que “uma oração privada” ou uma “bonita experiência espiritual”, convidando os católicos a cultivar a vivência comunitária da sua fé.

“Às vezes, em relação à santa Missa, ouvimos esta objeção: ‘Para quê serve a Missa? Vou à igreja quando me apetece, rezo melhor a sós”, observou, ao começar o tradicional encontro de domingo com os peregrinos reunidos na Praça de São Pedro, para a recitação do ângelus.

Francisco sublinhou que a Eucaristia é um “memorial”, isto é, “um gesto que atualiza e torna presente o acontecimento da morte e ressurreição de Jesus”.

“Viver em comunhão concreta, real, com Jesus, nesta terra, faz-nos já passar da morte à vida: assim fecharemos os olhos a este mundo na certeza de que no último dia vamos ouvir a voz de Jesus ressuscitado”, prosseguiu.

A intervenção centrou-se na simbologia do ‘Pão da vida’, convidando os católicos a entrar em sintonia com o “coração de Cristo”, imitando as suas escolhas, pensamentos e comportamentos.

“Isso significa entrar num dinamismo de amor oblativo e tornar-se pessoas de paz, de perdão, de reconciliação, de partilha solidária”, explicou.

Após a oração, Francisco deixou uma saudação aos peregrinos presentes, em particular aos membros do Movimento Juvenil Salesiano, a quem pediu que sejam capazes de “gerar esperança no mundo”.

CR/Ecclesia