Cónego Adriano Borges critica redes sociais onde o julgamento apressado e infundado pode destruir o bom nome de “pessoas e instituições”

O reitor do Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres criticou hoje uma certa acefalia social fomentada pelas redes digitais, onde as inverdades e as calúnias ganham uma amplitude imediata.

Na homilia do segundo dia do tríduo preparatório da festa do Senhor Santo Cristo dos Milagres, a partir da liturgia da palavra, o cónego Adriano Borges lembrou que tal como no tempo de Jesus, Pilatos, por medo, não se opôs a uma multidão desejosa de fazer o julgamento de Jesus na praça pública, sem culpa formada, também hoje nos ambientes digitais há episódios semelhantes.

“Os julgamentos que antes aconteciam na Praça Pública agora acontecem em ambiente digital. Agora, além das `fake news´há também as `dark news´, ou notícias escuras, que lançam nebulosas sobre pessoas e instituições. Inventa-se uma mentira, que depois de tantas vezes repetida passa a ter valor de verdade. Partilhamo-las e disseminamo-las, com uma velocidade enorme”, referiu o sacerdote.

Hoje, tal como no tempo de Jesus “temos muita dificuldade em discernir sobre a verdade”, acrescentou lembrando que há uma “perda de sentido critico” por parte das pessoas. A indiferença, a acefalia e o medo, ampliados pelos ambientes digitais, com uma cultura tribalizada foram factores apontados pelo responsável pelo maior santuário diocesano opara explicar que hoje a falta de capacidade critica da maioria social permite que as inverdades ganhem um novo estatuto.

“Hoje o que vale a palavra?” interpelou para logo responder: “a palavra dita tem hoje um valor e amanhã outro e, se a palavra dita não tem valor o que se escreve anda no mesmo andor” esclareceu.

Regressando ao julgamento de Jesus, e diante do medo de Pilatos em absolver alguém a quem reconhecia não ter culpa formada, o cónego Adriano Borges sublinhou a importância do silêncio de Jesus, diante das acusações falsas.

“ Porque é que Jesus optou pelo silêncio? Jesus não respondeu porque não só Pilatos não iria compreender a sua linguagem como não compreendia o alcance do que Ele fez e do que Era”.

Durante a homilia o Reitor deixou, ainda, um repto a todos os que o seguiam em direto na RTPAçores: “ em Jesus nunca há um olhar de condenação apesar de saber a verdade de cada um de nós,  nunca nos julga; porque nos ama”.

“Precisamos de desligar as redes sociais a que estamos ligados e olhar para este olhar de Jesus que nunca julga e muito menos em praça publica” adiantou ainda.

“Faz da verdade o teu trilho; ama não condenes; nem julgues” exortou o sacerdote.A festa do Senhor Santo Cristo está a decorrer sem a presença de fieis, mas transmitida pela RTP Açores.

Esta quarta-feira a animação litúrgica da Eucaristia esteve a cargo de elementos do coro de Nossa Senhora de Fátima.

A festa do Senhor santo Cristo tem no sábado e no domingo os pontos mais altos das celebrações.