Francisco assinalou este domingo a Festa do Perdão de Assis

O Papa classificou este domingo, no Vaticano, a dificuldade das pessoas perante a confissão como “uma graça” e incentivou os cristãos a não terem medo de se aproximarem de Deus.

“É verdade que quando vamos ao confessionário sentimos um pouco de vergonha. Isto sucede a todos, a todos nós. Mas devemos recordar que também esta vergonha é uma graça que nos prepara para o abraço do Pai que sempre perdoa, sempre perdoa tudo”, salientou Francisco na Praça de São Pedro, durante a recitação do ângelus.

Perante milhares de peregrinos, das mais variadas nacionalidades, o Papa argentino assinalou a Festa do Perdão de Assis considerando-a “um chamamento” no sentido das pessoas se deixarem transformar pelo “sacramento da misericórdia e da comunhão”.

“Há gente que tem medo de aproximar-se da confissão, esquecendo que lá não encontramos um juiz severo, mas o Pai imensamente misericordioso”, completou.

A Festa do Perdão de Assis ou da Indulgência da Porciúncula, ligada a São Francisco de Assis, remonta ao século XIII e permite na ocasião a cada pessoa ou peregrino obter a indulgência plenária em qualquer igreja Franciscana, para si ou para os defuntos.

Na noite de 1216, numa visão, São Francisco obteve do próprio Jesus a Indulgência do Perdão de Assis, que foi aprovado pelo Papa Honório III.

Esta indulgência plenária pode ser obtida ordinariamente nos dias 2 e 15 de agosto; ou também pode ser recebida pelos peregrinos, uma vez por ano, em qualquer dia.

 

Na visão, Francisco de Assis pronunciou as seguintes palavras: “Santíssimo Pai, mesmo que eu seja mísero e pecador, peço-te que a todos aqueles, arrependidos e confessados, que visitarem esta Igreja, conceda amplo e generoso perdão com uma completa remissão de todas as culpas”.

CR/Ecclesia