Cónego José Medeiros Constância assina um artigo sobre o passado, o presente e o futuro do Santuário do Senhor Santo Cristo, que assinala este ano o 60º aniversário da sua criação

O santuário diocesano do Senhor Santo Cristo dos Milagres, que celebra este ano o 60º aniversário da sua criação e terá as suas festas principais na próxima semana, é “uma alavanca” e “um aconchego” para fé do povo açoriano, afirma o vice-reitor.

Num artigo de opinião enviado ao Igreja Açores, o Cónego José Medeiros Constância reflete sobre o passado, o presente e o futuro deste centro de culto para afirmar que “O ontem, o hoje e o amanhã como que constituem um todo em diversas declinações de um mesmo sim dito na fé a Cristo por todo o nosso povo. Que riqueza a história e o caminho de fé do nosso Santuário!”

Elevado à condição de santuário diocesano pelo bispo D. Afonso de Carvalho a 22 de abril de 1969, há mais de trezentos anos que na Igreja da Esperança se venera a Imagem do Senhor Santo Cristo.

“Um foco de luz divina iluminou o povo de São Miguel, dos Açores e da Emigração na pessoa de Cristo Sofredor, representada naquela imagem e na intimidade dos que de perto ou de longe recorrem a Ele” afirma o responsável, enfatizando a “multidão sem fim” que nesta imagem encontra o colo que necessita.

“Referir o passado é, sem dúvida, ver tudo o que foi esta igreja como capelania mas ao mesmo tempo berço, aconchego e alavanca da fé do nosso povo”, sublinha o sacerdote que é também o ouvidor de Ponta Delgada.

“Se pensarmos no passado desde que esta igreja foi elevada a Santuário reconheceremos a declinação de um sim de fé em todos estes 60 anos pela importância da atração que teve este lugar na sua elevação a Santuário”, afirma.

O sacerdote recorre à efeméride que está a ser comemorada este ano para destacar as várias iniciativas no âmbito da cultura, da liturgia, da acção sócio-caritativa e também da formação em que o Santuário se tem afirmado para posicionar o Santuário como “alavanca da evangelização” na diocese, nos próximos anos.

“O futuro será muito marcado proximamente pelo caminho da sinodalidade diocesana em que a nossa Igreja Local está a entrar” afirma o sacerdote destacando que “Os Santuários, o nosso Santuário, por si e no universo eclesial diocesano vão constituir instâncias futuras importantes que do ponto de vista espiritual e pastoral vão ser alavancas, focos de espiritualidade, centros de formação cristã e lugares de intercâmbio eclesial, de partilha , de ecumenismo e de mobilização pela paz”.

O Cónego José Medeiros Constância deixa ainda uma palavra de reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelos vários reitores que precederam a atual reitoria presidida pelo Cónego Adriano Borges.

“Se bem que a história espiritual e pastoral do nosso Santuário tenha sido feita por todo o santo povo de Deus; a verdade é que ela foi feita pelos cinco Reitores que serviram esta instância diocesana. Foram eles: Monsenhor José Gomes, Monsenhor João Maurício, Monsenhor Cónego Jacinto da Costa Almeida, Monsenhor Agostinho Tavares e Monsenhor Cónego Augusto Cabral”, afirma no texto enviado ao Igreja Açores.

As festas do Senhor Santo Cristo dos Milagres começam na próxima sexta feira, dia 24 de maio. Serão precedidas, a 23 pelo I Encontro de Reitores dos Santuários Diocesanos e que “será momento de consciencialização do Santuário e dos outros no contexto da vida diocesana e numa mobilização de intercâmbio de inter-ajuda eclesiais”.

A festa este ano será presidida pelo Núncio da Santa Sé na Arménia e Geórgia, D. José Avelino Bettencourt e começa com o tríduo preparatório no dia 21 de maio. Ainda no dia 23 haverá a conferência de imprensa de apresentação da capa que a imagem `vestirá´ durante as procissões e às 11h30 do dia 23 será lançado o selo comemorativo do 60º aniversário do Santuário.

Já no dia 24, às 11h00 será celebrada a Missa dos Doentes, que será presidida pelo bispo emérito de Angra, D. António de Sousa Braga. à noite será inaugurada a iluminação da fachada do Convento da Esperança.

A festa terá como ponto alto os dias 25 e 26 de maio com as procissões e missa campal.

Depois da festa do Senhor Santo Cristo, que mobiliza milhares de pessoas em peregrinação até Ponta Delgada, o Santuário ainda irá promover o colóquio sobre religiosidade popular que se realizará de 9 a 11 de julho e refletirá sobre os cultos ao senhor Santo Cristo e ao Espírito Santo, destacando-se neste programa a conferência de D. Carlos Azevedo, bispo português a trabalhar no Conselho Pontifício para a Cultura, no Vaticano.