Conferência Episcopal Portuguesa publica novas orientações para o culto e atividades pastorais, face à “evolução favorável” da pandemia

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) divulgou hoje novas orientações para o culto e atividades pastorais, prevendo, entre outras medidas, a possibilidade de se realizar a tradicional visita pascal, suspensa desde 2020 e na Região é recomendado que se sigam as regras previstas pelas autoridades competentes, nomeadamente as autoridades de saúde e autarquias.

“Quanto à realização de procissões, deve cada entidade promotora comunicar à respectiva Câmara Municipal, e pedir o parecer da Autoridade Regional de Saúde  para o local e data desejados. Como princípio geral, seguiremos as regras  previstas pelas autoridades competentes para situações educativas, sociais e culturais semelhante” afirma o Administrador Diocesano numa comunicação enviada hoje a toda a diocese.

As medidas, de uma forma geral, vão ser aliviadas já durante a Quaresma, estabelecendo-se que no rito de adoração da cruz na Sexta-feira Santa, deve omitir-se o beijo, substituindo-o pela genuflexão ou inclinação, refere o documento, da Conferência Episcopal Portuguesa.

O texto aponta ao rito de Quarta-feira de Cinzas, que se celebra a 2 de março, marcando o início da Quaresma, e o lava-pés na Quinta-feira Santa (14 de abril) pedindo “especial cuidado como o uso da máscara e a higienização”.

Em 2021, a CEP tinha mantido aa suspensão de procissões e outras manifestações populares da Semana Santa e Páscoa, entre elas o tradicional “compasso”; em 2020, por causa da pandemia, as celebrações não contaram com a participação da assembleia.

Os bispos referem nas orientações divulgadas esta terça-feira que se observa, em Portugal, “um forte abrandamento das restrições na sociedade face à evolução favorável do estado atual de pandemia”.

“Nunca é demais apelar ao comportamento responsável de todos em relação à proteção da saúde pública”, acrescenta o documento.

As orientações mantêm a recomendação de um “distanciamento responsável entre as pessoas” que não integrem o mesmo agregado familiar e do “uso de máscaras para todos”.

Os bispos determinam que a Comunhão deve continuar a ser ministrada apenas na mão dos fiéis e anunciam o regresso da saudação da paz (facultativa), através de “um sinal sem contacto físico”, por exemplo, uma vénia ou inclinação.

Quanto às atividades pastorais nos espaços eclesiais (paróquias, centros pastorais, casas de retiro, etc.) como catequese e outras ações formativas, bem como peregrinações, procissões, festas, romarias, concentrações religiosas, acampamentos e outras atividades similares, estas “seguem as regras previstas pelas autoridades competentes para situações educativas, sociais e culturais semelhantes”.

As novas orientações substituem as que foram emitidas entre 8 de maio de 2020 e 11 de janeiro de 2022.

Os Açores registaram hoje 169 novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19, e um óbito, aumentando para 86 o número de pessoas que morreram da doença na região, revelou a Autoridade de Saúde Regional.

Segundo o boletim diário da Autoridade de Saúde Regional, a vítima, “uma mulher de 86 anos”, residente na vila das Lajes, na Praia da Vitória (ilha Terceira), estava internada no hospital daquela ilha “desde o passado dia 21” e “não estava vacinada”.

Estão hoje hospitalizados 34 doentes com covid-19 nos Açores, mais sete do que no domingo.

Foi no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, que se registou a maior subida (mais sete doentes), havendo agora 22 pessoas internadas.

No Hospital de Santo Espírito da Ilha Terceira, estão internados sete doentes com covid-19 (mais um), e no Hospital da Horta cinco (menos um).

Quanto ao número de utentes em cuidados intensivos (dois), manteve-se igual, mas com alterações entre hospitais.