Papa concedeu audiência privada a D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, que levou donativo monetário

O Papa Francisco confirmou hoje no Vaticano a sua intenção de visitar Portugal em 2017, no centenário das aparições de Fátima, durante uma audiência privada que concedeu a D. António Marto.

Segundo nota publicada pelo site da diocese e pelo Santuário de Fátima, Francisco disse ao bispo de Leiria-Fátima que, “se Deus [lhe] der vida e saúde”, quer estar na Cova da Iria daqui a dois anos”, autorizando a “divulgação pública da sua intenção”.

A audiência visou “tratar diversos assuntos relacionados com Fátima”, com oportunidade para abordar “aspetos da renovação pastoral que o Santo Padre procura implementar”.

O bispo de Leiria-Fátima entregou ao Papa uma oferta monetária do Santuário, “destinada às ações de ajuda aos pobres” do pontífice argentino, que se mostrou “especialmente sensibilizado por este gesto”.

D. António Marto agradeceu ao Papa “a nova etapa de alegria e frescura que o seu pontificado veio trazer à Igreja”, acrescenta a nota oficial.

Francisco recebeu convites para visitar Portugal em 2017, dirigidos pelo Governo, a Conferência Episcopal e a Diocese de Leiria-Fátima.

Em fevereiro, após ter sido criado cardeal, D. Manuel Clemente revelou no Vaticano ter a certeza “quase absoluta” de que Francisco vai visitar Portugal em 2017, depois desses convites.

“É o centenário de Fátima e Fátima tem um lugar muito importante na vida de milhões e milhões de católicos no mundo inteiro. O Papa Paulo VI foi lá em 1967, depois o Papa João Paulo II, depois o Papa Bento XVI e o Papa Francisco também vai, por isso lá o esperamos”, disse aos jornalistas.

As declarações surgiram depois de o vice-primeiro-ministro Paulo Portas ter renovado o convite para visitar Portugal ao atual Papa, recordando que os 100 anos de Fátima “são muito importantes para muitos portugueses”.

Francisco, que já tinha apontado o ano de 2017 como data de uma possível viagem a Portugal, será assim o quarto Papa a passar por Fátima, depois de Paulo VI (1967), João Paulo II (1982, 1991 e 2000) e Bento XVI (2010).

Entretanto, e segundo a agência Lusa, o presidente do Turismo do Centro disse hoje que a visita do papa a Fátima em 2017 é uma oportunidade para “reforçar a notoriedade das marcas Fátima, Centro e Portugal”, defendendo a mobilização de organismos públicos e privados na receção.

“A visita do papa a Fátima é uma grande oportunidade para reforçar a notoriedade das marcas Fátima, Centro e de Portugal, no contexto mundial do turismo religioso, mas também do turismo cultural”, afirmou à agência Lusa Pedro Machado.

Para Pedro Machado, “essa oportunidade deve mobilizar todos, organismos públicos, privados, locais, regionais e nacionais, para se poder proporcionar a melhor receção possível” ao papa e a quem visitar Fátima em 2017.

O presidente do Turismo do Centro adiantou que a visita do papa “dá uma visibilidade e alcance mundial que só podem acrescentar valor” ao trabalho e esforço financeiro que a entidade regional desenvolve diariamente na promoção do destino.

“Trabalho que chegará a milhões de pessoas em todo o mundo, com aquela que será a figura mais conhecida em todo o mundo”, considerou Pedro Machado.

CR/Ecclesia/Lusa