Iniciativa contou com a participação de mais de meia centena de vilafranquenses

Realizou-se na Ouvidoria de Vila Franca do Campo, esta quarta feira, uma palestra sobre dependências, protagonizada pela diretora regional da Prevenção e Combate às Dependências, Suzete Frias, sobre a problemática das dependência e as famílias.

A iniciativa da ouvidoria de Vila Franca do Campo, em parceria o Serviço Diocesano da Pastoral Social da Diocese de Angra, juntou mais de meia centena de pessoas, segundo uma nota enviada ao Igreja Açores.

Os dinamizadores da ação, profissionais da Divisão de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (DICAD) da Região do Alentejo, clarificaram junto dos presentes os conceitos de toxicodependência e dependência, informaram sobre os tipos de droga e suas consequências no sistema nervoso central e partilharam estratégias e boas práticas de ação destinadas a ajudar quem sofre deste flagelo e suas famílias.

O público-alvo da iniciativa foi, na sua maioria, membros de movimentos ligados à Igreja como catequistas, voluntários, legião de maria, bem como profissionais ligados à educação e área social e familiares de pessoas toxicodependentes.

“Apesar das más condições climatéricas a adesão e participação superaram as expetativas, tendo o diálogo durado cerca de duas horas e meia. A ação foi muito participada, existindo grande interação entre os dinamizadores e os presentes, assente na partilha de experiências, esclarecimento de dúvidas e desmistificação do tema” refere a nota.

Para a Diretora do serviço Diocesano da pastoral Social, Vitória Botelho Furtado, o sucesso deste tipo de iniciativas depende em grande medida da capacidade de iniciativa e de empenho dos párocos, que por sua vez incentivam os paroquianos a refletir e a agir na qualidade de cristãos responsáveis e interessados.

Relembre-se que no ano pastoral de 2016/2017 o Serviço Diocesano da Pastoral Social dos Açores realizou um estudo exploratório com o intuito de conhecer a realidade das paróquias. A análise dos dados permitiu verificar que na Diocese de Angra, as problemáticas com maior incidência são a pobreza e o desemprego (ambas com 84,5%), seguidas da toxicodependência (77,6%) e alcoolismo (63,8%).

Esta ação contou ainda com o apoio do Centro Paroquial de Bem Estar Social de São José e de empresas da Ouvidoria de Vila Franca.