Iniciativa decorre entre 11 e 18 de maio. “Gerar Vida, construir futuro” vai inspirar duas conferências nos dias 15 e 16 em Ponta Delgada.

A Semana da Vida, que começa amanhã, domingo do Bom Pastor, vai ter na Diocese de Angra como pontos altos a realização de duas conferências em Ponta Delgada, nos dias 15 e 16 de maio, sobre a temática da vida, numa iniciativa conjunta dos serviços diocesanos de apoio à pastoral familiar e da saúde e, também do Santuário do Senhor Santo Cristo.

 

Sob o tema ”Gerar Vida, Construir Futuro” – lema da Semana, definido em termos nacionais-, a primeira conferência juntará duas professoras universitárias, atualmente a desempenhar cargos públicos- Piedade Lalanda e Maria do Céu Patrão Neves- e realiza-se  no dia 15 de maio (dia internacional da família), no Hotel Vip, em Ponta Delgada, a partir das 20h30.

 

O Objetivo é discutir as questões relacionadas com a vida, desde o nascimento até à morte, olhando para a vida em família e a vida no trabalho.

 

No dia 16 de maio, as comemorações da Semana da Vida, na maior ilha do arquipélago, celebram-se em dois momentos: às 9h00 realiza-se uma eucaristia no Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres e, às 20h00, em parceria com o Núcleo Regional dos Açores da Liga Portuguesa Contra o Cancro e o Serviço Diocesano da Pastoral da Saúde, realiza-se uma sessão de partilha e de testemunhos intitulada “Celebrar os vencedores, recordar os que partiram e lutar pela cura”.

 

Além destas duas conferências, o serviço diocesano de apoio à pastoral da Família e Laicado promove, também em São Miguel, dois momentos de oração, nos dias 12 e 13 de maio, na Igreja de Nossa Senhora de Fátima, em Ponta Delgada e a 16 de maio no Santuário do Senhor Santo Cristo dos Milagres.

 

Nos dias 12 e 13 de maio, realiza-se na igreja de Nossa Senhora de Fátima, uma vigília de oração, liderada pelas Equipas de Nossa Senhora e às 20h45 uma eucaristia, seguida de procissão de velas. As pregações deste dois dias dedicados à invocação de Nossa Senhora ficarão a cargo do Pe Marco Gomes, porta voz da Diocese de Angra.

 

Neste Semana da Vida, o serviço diocesano de apoio à pastoral da Família convida todas as ouvidorias a desenvolverem um conjunto de atividades sobre a temática “não para expor teorias sobre a vida e a família” mas “para analisar e promover a vida com um dom precioso de Deus”, diz uma nota deste serviço.

 

“O objetivo é analisar os problemas e as situações relacionadas com a vida na atualidade, sobretudo tendo em conta o aspeto da transmissão da vida, a vida nas estradas, na saúde, no trabalho ou na ajuda aos mais desfavorecidos”, conclui a nota.

 

A Semana da vida “é uma oportunidade para cada um melhorar a sua vida e a dos outros” e por isso desafia “cada pessoa, grupo ou família, a pensar em melhorar a qualidade de vida, nos âmbitos pessoal, profissional Por outro lado, o prelado Diocesano lembra que é nesse período de 11 a 18 de maio que se celebra a Semana da Vida, que este ano é subordinada ao tema “Gerar a Vida, Construir o Futuro”.

 

A Semana da Vida decorre durante a Quinzena Vocacional e na mensagem enviada, sobretudo às famílias cristãs, o Bispo de Angra sublinha, uma vez mais, a importância da família neste contexto e avança com a intenção de “nos próximos anos, a Diocese se debruçar sobre a situação da família, dando maior ênfase, nomeadamente, às iniciativas promovidas pela Pastoral Familiar, acompanhando de perto, ao longo destes dois anos, a preparação e a realização das Assembleias Sinodais sobre Desafios Pastorais da Família no Contexto da Evangelização”.

 

 

Os objetivos e a temática da Semana da Vida foram propostos pelo Departamento Nacional da Pastoral Familiar que lamenta que a maioria das sociedades europeias esteja a “descurar o valor sagrado e inviolável da vida humana” por estarem “embriagadas” numa cultura do descartável e do facilitismo, “sob a capa de modernismo”.

 

Razões pelas quais em Portugal o “problema demográfico começa agora a ter contornos preocupantes” dado que, por um lado “subiu a esperança de vida, mas muitos idosos são abandonados e vivem numa solidão desumana e indigna de toda a pessoa” e, por outro, “a baixa natalidade, tendência de décadas, está agora a ser agravada pela crescente emigração, principalmente de jovens em idade de procriação”.

 

“Sem jovens e sem casais jovens não temos crianças. E sem crianças não temos futuro!”, alerta a organização da Semana da Vida.

 

Um cenário que para ser invertido precisa urgentemente de “uma política de proteção às famílias e à vida, capaz de criar condições concretas para que os casais tenham mais filhos e possam cuidar mais uns dos outros”.

 

“É indispensável um diálogo mais próximo entre gerações, numa cultura de encontro e partilha, para valorizar a vida em todas as suas fases: desde a conceção ao nascimento, passando pela educação e pelo apoio recíproco permanente em cada dia”, refere a nota de apresentação da Semana da Vida.

 

O Departamento Nacional da Pastoral Familiar lembra que “o aborto provocado, o abandono e a eutanásia não são aceitáveis, pois a vida não pode ser eliminada, mas deve ser protegida com atenção e carinho”, sendo para tal necessário que a “ciência e a técnica estejam sempre orientadas para o Homem e para o seu desenvolvimento integral”.